Mercado fechará em 2 h 49 min
  • BOVESPA

    111.774,68
    +865,07 (+0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.358,96
    +184,90 (+0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,24
    +2,04 (+2,61%)
     
  • OURO

    1.765,90
    +2,20 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    16.859,91
    +470,85 (+2,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,02
    -0,68 (-0,17%)
     
  • S&P500

    3.951,39
    -6,24 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.688,27
    -164,26 (-0,49%)
     
  • FTSE

    7.584,01
    +72,01 (+0,96%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.529,25
    +4,50 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4187
    -0,0379 (-0,69%)
     

Esta espécie de peixe come os próprios filhotes; entenda o porquê

Existe uma espécie africana de peixe chamada Astatotilapia burtoni, que se destaca por um comportamento diferente do que os seres humanos estão acostumados: as mães às vezes comem os próprios filhotes. Recentemente, um estudo publicado na revista científica Biology Letters buscou entender o porquê.

Depois que os ovos são fertilizados, as mães abrigam em suas bocas por cerca de duas semanas para protegê-los de predadores. Quando os ovos eclodem em minúsculos peixes larvais, os bebês ficam fora da boca da mãe, mas voltam para dentro quando há algum perigo.

O estudo explica que, com isso, a mãe não consegue respirar direito ou comer durante esse período. Por isso, em determinados momentos, o peixe consome alguns de seus filhotes, um comportamento chamado “canibalismo filial”. Os cientistas associaram os níveis de canibalismo à saúde materna.

No estudo, a equipe acompanhou a situação de cerca de 80 fêmeas que haviam desovado recentemente. Depois de um período de observação de duas semanas, os pesquisadores notaram que as mães haviam comido cerca de 40% de seus filhos em média; e que mais de 93% das mães comiam pelo menos alguns de seus filhos.

Em seguida, os cientistas avaliaram os níveis de estresse oxidativo do peixe-mãe, e descobriram que mães com níveis mais altos de estresse oxidativo consumiam mais de seus filhos, presumivelmente beneficiando de antioxidantes que ingeriram. Assim, o estudo espera que o canibalismo filial seja “uma estratégia adaptativa que muitas espécies usam”.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: