Mercado fechará em 6 h 42 min
  • BOVESPA

    120.108,40
    +46,41 (+0,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,68
    +0,33 (+0,54%)
     
  • OURO

    1.783,90
    -9,20 (-0,51%)
     
  • BTC-USD

    54.907,59
    +164,99 (+0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.277,90
    +14,94 (+1,18%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.913,53
    +18,24 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.907,75
    -11,50 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6158
    -0,0862 (-1,29%)
     

Estação Espacial Internacional libera "lixo" pesando mais de duas toneladas

Wyllian Torres
·1 minuto de leitura

Na última semana, os controladores de solo da NASA enviaram comandos à Estação Espacial Internacional (ISS) para o despejo de um palete cheio de baterias velhas, com peso total aproximado de 2,9 toneladas — o objeto mais pesado já liberado da ISS. O compartimento de lixo permanecerá em órbita por dois ou quatro anos antes de se queimar ao entrar na atmosfera terrestre.

O transporte de suprimentos para a ISS feito através do Veículo de Transferência H-II (HTV), do programa espacial japonês, é muito comum. Após cumprir seu propósito, o veículo é deixado em órbita para que, posteriormente, ele se queime ao adentrar a atmosfera. Acontece que a carga da vez é gigantesca, mas Leah Cheshier, especialista em comunicações da NASA, diz que, assim como todas as outras, este palete deve queimar “inofensivamente” — se eventualmente sobrar algum pedaço nesse processo, ele cairá sobre o Oceano Pacífico.

O palete registrado pela ISS enquanto passava acima do Chile (Imagem: Reprodução/NASA)
O palete registrado pela ISS enquanto passava acima do Chile (Imagem: Reprodução/NASA)

O palete entregou à ISS, em maio do ano passado, porta-baterias com seis baterias de íons lítio que foram conectadas à estrutura de energia solar da estação espacial. Essa foi a nona e última vez que uma nave de abastecimento HTV estacionou por lá.

Lixos espaciais são pedaços de espaçonaves, satélites desativados e parte de foguetes usados em lançamentos, que ficam em uma região denominada baixa órbita da Terra. São objetos potencialmente perigosos se caírem na superfície, caso pedaços deles sobrevivam à queima atmosférica.

Mas o controle da missão afirma que este palete peso-pesado que foi liberado da ISS não oferece risco para o planeta. Ele seguirá em uma órbita segura até se queimar totalmente na atmosfera, o que acontecerá dentro de dois ou quatro anos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: