Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.605,56
    +1.231,65 (+3,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Estúdio de Steven Spielberg fecha acordo para lançar filmes na Netflix

·2 minuto de leitura

A Amblin Partners, estúdio pertencente ao diretor Steven Spielberg, anunciou nesta segunda-feira (21) uma parceria com a Netflix para a produção de vários filmes por ano. A notícia pegou todo mundo em Hollywood de surpresa, principalmente pelo fato de o próprio Spielberg ser um dos críticos dos serviços de streaming por não considerá-los cinema.

Isso não significa, no entanto, que devemos ver um filme do lendário diretor sendo feito exclusivamente para a plataforma digital. De acordo com o Deadline, a parceria da Amblin com a Netflix vai existir em paralelo com a que o estúdio tem atualmente com a Universal Pictures. Assim, Spielberg continuaria fazendo filmes para o cinema tradicional enquanto outros diretores ligados à empresa fariam seus filmes para o streaming.

Os demais detalhes do acordo não foram revelados. A expectativa, segundo o site, é que a Amblin produza vários longas por ano, justamente para atender à alta demanda da Netflix. No início do ano, o serviço anunciou que pretende lançar um filme por semana em seu catálogo e, ao que tudo indica, a ideia é seguir com essa estratégia para além de 2021.

O anúncio desta segunda-feira, aliás, parece ser a oficialização de um flerte que já vinha se desenhando há bem mais tempo. As duas empresas já haviam trabalhado em conjunto para o lançamento de Os 7 de Chicago, indicado a seis Oscar, em setembro de 2020. O filme de Aaron Sorkin foi produzido pela Amblin e lançado na Netflix uma vez que os cinemas de todo o mundo estavam fechados por causa da pandemia.

E é justamente esse “novo normal” que parece ter dobrado cineastas mais puristas, como o próprio Spielberg, sobre a força e a importância das plataformas de streaming no cenário atual. Em uma época em que as pessoas não podem sair de casa e as bilheterias se tornaram muito mais modestas do que antes, serviços como a Netflix ganharam muito mais relevância em todo o mundo.

Em uma nota divulgada logo após o anúncio do acordo, Spielberg destaca que a narrativa sempre vai ser o cerne de tudo o que a Amblin faz. “Do minuto em que Ted [Sarandos, CEP e chefe de conteúdo da Netflix] e eu discutimos uma parceria, foi claro que nós tínhamos uma oportunidade incrível de contar novas histórias e alcançar o público de novas maneiras”, afirma o diretor.

Para a Netflix, a parceria é um ganho enorme em seu catálogo não somente pelo peso que o nome de Spielberg carrega, mas também pela qualidade dos filmes da Amblin, que possui diversos ganhadores do Oscar em seu portfólio. Além de Os 7 de Chicago, a empresa conta ainda com Green Book e 1917, ambos muito premiados. Além disso, o estúdio ainda vai trazer o novo Jurassic World: Domínio e Stillwater, estrelado por Matt Damon.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos