Mercado fechará em 3 h 14 min
  • BOVESPA

    110.618,96
    +1.775,22 (+1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.592,05
    +34,40 (+0,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,45
    +0,16 (+0,23%)
     
  • OURO

    1.777,20
    +13,40 (+0,76%)
     
  • BTC-USD

    42.698,14
    -1.367,49 (-3,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.064,54
    +0,69 (+0,07%)
     
  • S&P500

    4.377,60
    +19,87 (+0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.146,10
    +175,63 (+0,52%)
     
  • FTSE

    6.980,98
    +77,07 (+1,12%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    15.085,50
    +76,00 (+0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2061
    -0,0386 (-0,62%)
     

Estão se passando por você com um perfil fake no WhatsApp? Veja o que fazer

·4 minuto de leitura

Comunicador digital mais usado no Brasil, o WhatsApp tem sido usado por diversos golpistas que tentam espalhar malwares ou convencer vítimas a fazer depósitos e transferências bancárias. No tipo de ação detectado mais recentemente, eles passaram a copiar todos os detalhes de perfis para convencer os contatos da pessoa “imitada” a fazer repasses de dinheiro.

Os perfis usados são idênticos aos do alvo, com uma exceção: o número de telefone usado. Para justificar esse detalhe, os criminosos sempre inventam uma história e dão desculpas para não poder falar através de mensagens de áudio ou de vídeo. Convencidas, muitas vítimas caem no golpe diversas vezes até perceber que não estão falando com a pessoa que conhecem.

Para tornar o golpe mais convincente, os criminosos usam informações pessoais que vão além do RG e CPF: nomes de pai, mãe e do parente ou amigo contatado são usados para trazer maior veracidade. Megavazamentos de dados, como o ocorrido no final de julho, ajudam a municiar os golpistas, assim como publicações feitas abertamente nas redes sociais.

O que fazer se meu perfil foi copiado?

Apesar de não ser tão sofisticado quanto o roubo de contas, o golpe consegue se propagar justamente por não despertar alertas — até que os criminosos decidam vitimar algum contato, não há como saber se seus dados estão sendo usados. No entanto, há ferramentas e dicas do próprio serviço que ajudam a evitar a situação:

  • Denuncie para o WhatsApp – ao descobrir que uma conta está usando seus dados, faça a denúncia para o e-mail support@whatsapp.com. Em até 48 horas, a empresa se compromete a enviar uma resposta sobre o caso. Também denuncie no próprio app, a partir das configurações do contato, selecionando “Denunciar contato” e escolhendo entre “Denunciar e bloquear” ou somente “Denunciar”;

  • Não fale com os criminosos – caso você descubra que um criminoso está usando seu perfil, não interaja diretamente com ele. Há a opção de bloqueá-lo para que ele não tenha mais acesso a seus dados, mas falar diretamente com os golpistas só vai avisá-los de que suas atividades foram descobertas e o usuário pode se expor a novos riscos no processo;

  • Contate as autoridades policiais responsáveis – caso seu perfil tenha sido usado para aplicar golpes, procure os órgãos de proteção devidos para registrar o Boletim de Ocorrência e outras ações cabíveis;

  • Oculte a foto de perfil para quem não é contato – nas configurações do WhatsApp, vá até a aba “Privacidade” e mude para “Meus Contatos” a privacidade da foto de perfil. Você também pode fazer isso com os indicadores de “Visto por Último” e “Recado”, garantindo que somente pessoas permitidas vão ter acesso a seu perfil. Com isso, você dificulta o acesso aos materiais usados pelos criminosos nos golpes;

Imagem: Captura de Tela/Felipe Gugelmin/Canaltech
Imagem: Captura de Tela/Felipe Gugelmin/Canaltech
  • Ligue sempre a dupla autenticação – embora o golpe não envolva o roubo direto das contas, sempre é bom se precaver. Sempre ligue a autenticação em duas etapas do WhatsApp e nunca informe o código de SMS enviado para confirmar seu login a nenhuma pessoa, mesmo que ela insista ser funcionária da empresa.

Como evitar cair no golpe

Mesmo que seu perfil esteja protegido, isso não impede que algum de seus contatos seja vítima dos golpistas. Embora redes sociais e o próprio WhatsApp ofereçam diversas opções de privacidade, nem todos costumam usá-las ou estar cientes de que os conteúdos que publicam nas redes estão disponíveis a todos — isso sem contar com os dados extraídos a partir de vazamentos.

Assim, é preciso sempre estar atento para evitar ser uma vítima de golpe:

  • Cuidado aos detalhes – sempre que um contato em sua lista muda de número de telefone, o WhatsApp avisa que isso aconteceu. Caso algum conhecido inicie uma conversa e peça alguma espécie de transferência ou valor em dinheiro, procure por esse aviso e desconfie se ele não aparecer;

  • Ligue e faça chamadas por vídeo – por mais convincente que a história contada seja e por mais próxima que a pessoa pedindo dinheiro possa ser, sempre verifique se é ela mesma que está falando. Caso o contate se recuse a fazer ligações telefônicas ou chamadas por vídeo, não prossiga com a transferência — é melhor ter um familiar ou amigo chateado do que ajudar na ação de criminosos;

  • Preste atenção a possíveis erros ortográficos – cada pessoa possui um jeito único de falar, e criminosos nem sempre se preocupam em reproduzi-lo. Caso as mensagens recebidas de um número desconhecido tenham muitos erros, sejam muito insistentes ou pareçam seguir um molde, são grandes as chances de se tratarem de um golpe.

  • Denuncie – caso você reconheça uma conta falsa no WhatsApp, a denuncie como spam. Para isso, vá até as configurações do contato, selecione “Denunciar contato” e escolha entre “Denunciar e bloquear” ou somente “Denunciar”

Imagem: Captura de Tela/Felipe Gugelmin/Canaltech
Imagem: Captura de Tela/Felipe Gugelmin/Canaltech

Mesmo que você consiga detectar os golpistas antes de ser vítima deles, é essencial que também seja feito um Boletim de Ocorrência e que eles sejam denunciados às autoridades competentes. Golpes do tipo são cada vez mais comuns e, embora adotem premissas variadas, podem ser combatidos com informação e dados que ajudem investigadores a chegar nos responsáveis.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos