Mercado fechará em 3 h 41 min
  • BOVESPA

    100.617,63
    -145,97 (-0,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.094,82
    -200,01 (-0,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,74
    +1,17 (+1,07%)
     
  • OURO

    1.824,30
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    20.663,12
    -41,74 (-0,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    449,67
    -0,40 (-0,09%)
     
  • S&P500

    3.852,34
    -47,77 (-1,22%)
     
  • DOW JONES

    31.210,07
    -228,19 (-0,73%)
     
  • FTSE

    7.323,41
    +65,09 (+0,90%)
     
  • HANG SENG

    22.418,97
    +189,45 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    27.049,47
    +178,20 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    11.782,50
    -258,00 (-2,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5280
    -0,0161 (-0,29%)
     

Espuma biodegradável interrompe processo inflamatório e cura feridas na pele

Em estudo publicado na Science Translational Medicine no último mês de abril, pesquisadores da Vanderbilt University (EUA) descreveram a descoberta de uma espuma biodegradável capaz de curar feridas na pele. Os experimentos conduzidos em porcos foram bem-sucedidos.

Segundo o artigo científico, a espuma interrompe o processo inflamatório e melhora a irrigação sanguínea, fazendo com que células novas e "limpas" apareçam, eliminando toxinas celulares liberadas durante a necrose. De qualquer forma, a principal proposta é que o custo seja consideravelmente menor, em comparação com os tratamentos disponíveis atualmente.

Acontece que esses métodos disponíveis são feitos de materiais com colágeno, que costumam custar cerca de US$ 3,8 mil (o equivalente a R$ 18,7 mil), ou com poliéster, a US$ 850 (cerca de R$ 4,1 mil), e os especialistas lançam alerta para o aumento do pH celular e uma possível piora no processo inflamatório.

Espuma biodegradáve foi testada em pele de porcos; estudo foi bem-sucedido (Imagem: Lucia Macedo/Unsplash)
Espuma biodegradáve foi testada em pele de porcos; estudo foi bem-sucedido (Imagem: Lucia Macedo/Unsplash)

"Os biomateriais sintéticos são mais baratos de fabricar do que os curativos biológicos e podem atingir uma gama mais ampla de propriedades físico-químicas, mas ainda há oportunidades para adaptar esses materiais para respostas imunes e regenerativas ideais", diz o estudo.

Na prática, a espuma reduz os elementos de oxigênio reativo, liberados durante a necrose e a inflamação, o que por sua vez diminui o estresse oxidativo. Enquanto o tecido regenerado substitui o danificado, o produto vai se degradando.

A ideia dos pesquisadores é refinar essa espuma biodegradável e começar em breve os testes em humanos. No entanto, o uso do curativo deve se limitar a ambiente hospitalar, com aplicação monitorada por um médico.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos