Mercado abrirá em 29 mins
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,64
    +0,89 (+1,49%)
     
  • OURO

    1.723,00
    -10,60 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    51.609,29
    +2.827,02 (+5,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.030,12
    +42,02 (+4,25%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.664,72
    +50,97 (+0,77%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.129,50
    +74,25 (+0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8718
    +0,0097 (+0,14%)
     

Esposa de Moro pede que STF revogue decisão de tirar sigilo de mensagens enviadas pelo ex-juiz

·1 minuto de leitura
Rosangela Moro e o marido, Sergio Moro
Rosângela Moro e Sergio Moro (Foto: Reprodução)

Rosângela Moro, esposa do ex-juiz Sergio Moro, entrou com um pedido no Supremo Tribunal Federal para revogar a decisão do ministro Ricardo Lewandowski de levantar o sigilo de mensagens enviadas por Moro.

O pedido, feito na última quarta-feira, 3, é para que o processo da operação Spoofing deixe de ser responsabilidade de Lewandowski e passe para o ministro Edson Fachin.

Na última segunda-feira, 1º, Lewandowski determinou que a defesa de Lula poderia ter acesso à troca de mensagens entre Moro e o ex-procurador da operação Lava Jato em Curitiba Deltan Dallagnol. A suspeita é de que o ex-juiz tenha orientado Dallagnol sobre como agir nos processos envolvendo o petista.

Leia também:

O argumento de Rosângela Moro, que assina o pedido, é de que o princípio do juiz natural foi violado e que Fachin deveria ser o responsável por analisar o caso, por ser o relator da Lava Jato no STF.

Outro argumento usado pelo casal Moro é de que as mensagens poderiam ter sido adulteradas. Mesmo sem reconhecer a veracidade do conteúdo, o ex-ministro da Justiça justifica que é normal que haja contato entre juízes, procuradores e advogados.