Mercado abrirá em 4 h 32 min
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,56
    +0,36 (+0,46%)
     
  • OURO

    1.768,60
    +4,90 (+0,28%)
     
  • BTC-USD

    16.878,84
    +393,11 (+2,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,91
    +12,19 (+3,14%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.533,69
    +329,01 (+1,81%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.535,00
    +10,25 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4691
    +0,0125 (+0,23%)
     

Espermatozoides congelados podem sobreviver por séculos e ainda gerar embriões

É possível que uma criança nasça a partir de um espermatozoide congelado de 250 anos? Em tese, um embrião saudável nasceria desta fertilização in vitro, segundo especialistas. No entanto, gerar esta criança levanta inúmeras discussões éticas. Por isso, procedimentos do tipo são proibidos.

O debate sobre o tempo máximo que espermatozoides, óvulos e embriões podem ser criopreservados voltou à tona com uma decisão recente no Reino Unido. Até então, o limite era de 10 anos. Só que, em julho deste ano, a regra foi esticada para 55 anos.

Cada pessoa deve ter a melhor oportunidade possível de começar uma família, e é por isso que é tão importante que nossas leis reflitam os mais recentes avanços tecnológicos”, afirmou Caroline Dineage, porta-voz do governo britânico, em comunicado. A fala premonitória ocorreu quando a questão ainda era discutida e as novas regras estavam em fase de elaboração, em 2020.

Quando estão congelados, espermatozoides podem sobreviver por séculos e ainda assim gerar embriões (Imagem: ParallelVision/Pixabay)
Quando estão congelados, espermatozoides podem sobreviver por séculos e ainda assim gerar embriões (Imagem: ParallelVision/Pixabay)

Casos históricos envolvendo espermatozoides congelados na ciência

Na história da medicina, o primeiro nascimento vivo, a partir de um espermatozoide criopreservado, foi relatado em 1953. No entanto, a infraestrutura para a preservação não permitia que o material biológico fosse preservado por longos períodos. Na época, era usado gelo seco e, apenas em 1963, o nitrogênio líquido foi introduzido

Em 2011, gêmeas saudáveis nasceram de uma fertilização in vitro feita a partir de espermatozoides congelados há aproximadamente 40 anos — a coleta foi feita em 1971. O esperma estava disponível em um banco de espermatozoides nos Estados Unidos.

"Nossa descoberta confirma relatos anteriores de que a viabilidade do sêmen congelado pode ser mantida por pelo menos várias décadas em humanos e animais de fazenda, e é consistente com a hipótese de que células congeladas armazenadas sofrem pouco ou nenhum dano durante armazenamento prolongado em nitrogênio líquido", afirmam os autores do relato de caso sobre as gêmeas, em artigo publicado na revista científica Journal of Assisted Reproduction and Genetics.

Nas últimas semanas, um bebê nasceu no Reino Unido a partir de espermatozoides congelados em 1996. Na época do congelamento, o pai do garoto tinha 21 anos e iria iniciar um tratamento de câncer (linfoma de Hodgkin), o que poderia provocar infertilidade.

Espermatozoides poderiam sobreviver por séculos congelados?

Vale explicar que “o limite legal de 55 anos [do Reino Unido] não tem nada a ver com a vida útil do espermatozoide ou por quaisquer outras razões científicas. Tem mais a ver com o que os parlamentares acharam certo para a sociedade", afirma Allan Pacey, professor da Universidade de Sheffield, para o jornal The Guardian.

"Como o esperma congelado está efetivamente em animação suspensa, uma vez congelado, não vejo por que não poderia ser mantido por centenas de anos se a lei permitisse”, acrescenta o professor sobre as possibilidades de preservação. "O esperma de touros premiados é mantido armazenado por muito mais tempo do que normalmente mantemos o esperma humano, sem nenhum problema”, completa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: