Mercado fechará em 6 h 12 min
  • BOVESPA

    110.736,64
    -979,36 (-0,88%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,60
    +0,86 (+1,09%)
     
  • OURO

    1.653,20
    -2,40 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    19.166,89
    +231,44 (+1,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    439,42
    +6,32 (+1,46%)
     
  • S&P500

    3.692,29
    -0,94 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    29.514,00
    -76,41 (-0,26%)
     
  • FTSE

    6.978,39
    -40,21 (-0,57%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.439,25
    +62,50 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1413
    +0,0437 (+0,86%)
     

Especialistas veem mais alívio na inflação e crescimento maior em 2022, mostra Focus

Consumidores fazem compras em supermercado do Rio de Janeiro

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - O mercado segue vendo mais alívio na inflação brasileira este ano em meio a medidas do governo para conter a alta dos preços e reduções nos custos de combustíveis, enquanto a perspectiva de crescimento econômico melhorou para 2022 mas seguiu piorando para 2023.

A pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central nesta segunda-feira mostrou que os especialistas veem agora alta do IPCA este ano de 6,70%, contra 6,82% no levantamento anterior.

A perspectiva para os preços administrados passou a queda de 1,96%, de recuo de 1,80% antes, depois de medidas como a imposição de teto para as alíquotas de ICMS e, mais recentemente, reduções de preços de combustíveis anunciadas pela Petrobras nas refinarias.

Para o ano que vem, a inflação deve ficar em 5,30%, um recuo de 0,03 ponto percentual ante o levantamento da semana anterior, com alívio de 0,12 ponto na perspectiva para o avanço dos preços administrados, a 6,7%.

Nos dois casos, entretanto, a inflação terminaria acima do teto da meta oficial, que é de 3,5% para 2022 e de 3,25% para 2023, sempre com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

Para a atividade, as mudanças no Focus mostraram direções divergentes. A previsão é de que Produto Interno Bruto (PIB) cresça 2,10% este ano, desacelerando a 0,37% em 2023. Enquanto a previsão para 2022 melhorou em 0,08 ponto percentual, para o próximo piorou em 0,02 ponto.

A pesquisa semanal com uma centena de economistas mostrou ainda manutenção do cenário para a taxa básica de juros, com a Selic calculada em 13,75% ao final de 2022 e em 11,00% em 2023.