Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    47.416,05
    +986,41 (+2,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7577
    +0,0188 (+0,28%)
     

Especialistas pedem esforço global por vacina universal contra os coronavírus

·2 minuto de leitura
(ARQUIVO) Imagem obtida em 27 de fevereiro de 2020, cortesia do National Institutes of Health, mostra o SARS-CoV-2, o vírus que causa a covid-19, isolado de um paciente nos EUA

Dois pesquisadores fizeram um apelo nesta quinta-feira (18) por um "esforço mundial" para o desenvolvimento de uma vacina universal contra os coronavírus, eficaz contra variantes futuras, que provavelmente desencadearão novas pandemias.

"A criação de ferramentas para prevenir a próxima pandemia de coronavírus está ao nosso alcance e deve ser considerada uma prioridade de saúde global", observaram os epidemiologistas Wayne Koff e Seth Berkley em um editorial na revista Science. Ambos comandam organizações que promovem vacinas.

Os coronavírus são uma grande família de vírus e o que causa a covid-19 é chamado de SARS-CoV-2.

Aos poucos, outras variantes do vírus foram surgindo e os especialistas temem que algumas delas possam, em algum momento, ser completamente resistentes às vacinas desenvolvidas especificamente contra a cepa descoberta em 2019. Uma eficácia reduzida contra a variante sul-africana já foi verificada.

Em 2002, um coronavírus desencadeou a epidemia de síndrome respiratória aguda grave (SARS), que foi rapidamente contida. Depois, em 2012, outro coronavírus, o MERS-CoV, apareceu na Arábia Saudita e causou a síndrome respiratória do Oriente Médio (Mers).

Existem "milhares" desses vírus "capazes de infectar um grande número de animais", a partir dos quais poderiam ser transmitidos aos humanos, afirmam os dois especialistas, acrescentando que "há uma possibilidade crescente de que outros coronavírus saltem de uma espécie para outra".

Eles apontam em particular os riscos da apropriação de novos territórios por uma população crescente, o que pode levar ao contato com certos animais “previamente isolados”, assim como da realização de viagens internacionais que possibilitam a rápida disseminação de uma doença em escala global.

E mesmo que as vacinas contra o SARS-CoV-2 tenham sido desenvolvidas em tempo recorde, o mesmo não necessariamente se repetirá no futuro, argumentam.

No entanto, avanços recentes podem permitir antecipar - devido ao seu "potencial de acelerar muito a identificação de antígenos compartilhados por coronavírus" - traços comuns para o desenvolvimento de uma defesa universal.

Promover pesquisas nessa direção "deve ser um esforço global", enfatizam.

Um esforço nesse sentido seria lucrativo: o custo da atual pandemia (entre 8 e 16 bilhões de dólares, segundo indicam) é "cerca de 500 vezes" superior aos valores que deveriam ser destinados ao desenvolvimento de uma vacina desse tipo.

Na semana passada, dois outros pesquisadores defenderam o desenvolvimento de uma vacina universal na Nature, outra publicação científica de prestígio.

o/yow/rsr/ic/mvv