Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.455,86
    -1.843,79 (-4,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Especialistas identificam nova variante do coronavírus no interior de SP

·1 minuto de leitura

Mais uma variante do coronavírus! Trata-se da P.4, desta vez, encontrada no interior de São Paulo. O responsável por identificar a variante foi o pesquisador da Unesp de Botucatu e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Virologia, João Pessoa Araújo Júnior.

De acordo com o pesquisador, essa nova variante é parente da P.1, por ter a mesma origem: a B.1.1.28, linhagem que deu origem a P.1, a P.2, identificada no Rio de Janeiro, e a P.3, que foi identificada nas Filipinas. A variante foi reconhecida no leste de São Paulo, primeiramente em Mococa, mas depois foi vista uma alta frequência dela na cidade de Porto Ferreira, onde concentraram o estudo.

Especialistas identificam nova variante do coronavírus no interior de SP (Imagem: Gerd Altmann/Pixabay)
Especialistas identificam nova variante do coronavírus no interior de SP (Imagem: Gerd Altmann/Pixabay)

O pesquisador reitera que a importância em reconhecer a variante neste momento se dá pelo fato de que ela se encontra em ascensão. "Ela está num ambiente onde a P.1 predomina, onde a variante britânica predomina também, mas ela está subindo com uma frequência que nos preocupa muito", apontou.

"Então, isso foi reconhecido pelo GISAID e agora, com esse nome, a gente vai ter condição de acompanhar melhor qual vai ser a disseminação dele e a gente quase que implora para os órgãos competentes de saúde para olhar com mais cuidado para essa região, pra gente minimizar a transmissão dessa variante P.4. pra outras regiões, como aconteceu com a variante P.1", concluiu o especialista.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: