Mercado abrirá em 9 h 17 min
  • BOVESPA

    108.714,55
    +2.418,37 (+2,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.833,80
    -55,86 (-0,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,78
    +0,02 (+0,02%)
     
  • OURO

    1.806,90
    +0,10 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    62.838,62
    +1.052,55 (+1,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.510,51
    +1.267,83 (+522,43%)
     
  • S&P500

    4.566,48
    +21,58 (+0,47%)
     
  • DOW JONES

    35.741,15
    +64,13 (+0,18%)
     
  • FTSE

    7.222,82
    +18,27 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    26.090,59
    -41,44 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    29.086,87
    +486,46 (+1,70%)
     
  • NASDAQ

    15.567,50
    +71,75 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4300
    -0,0063 (-0,10%)
     

Especialistas explicam riscos e oportunidades de empreender na crise

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As notícias da economia e da política no país parecem assustar qualquer um que pensa em montar um negócio, e ainda há a inflação e a ameaça de um apagão. No entanto, segundo especialistas, é em tempos assim que surgem oportunidades para o empreendedor.

“Entra o talento de perceber o nicho que não está sendo atendido e as necessidades dos consumidores”, diz José Mauro Nunes, professor do mestrado em gestão empresarial da FGV-Ebape (Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas).

Veja quais são as principais tarefas a serem cumpridas antes de investir na opinião de especialistas.

*

OLHO NO CLIENTE

O comportamento dos consumidores mudou, e é um erro não levar em consideração o que eles estão dispostos a comprar neste momento.

“Com as incertezas da pandemia, as pessoas estão questionando o jeito de se viver, o modo de trabalho e a saúde emocional”, diz Nunes. Aqui, entram as autoindulgências como bebidas alcoólicas mais refinadas e serviços de equilíbrio mental.

Por outro lado, afirma ele, existe a maior parte dos brasileiros, que vivem dentro de uma crise que foi acelerada com a pandemia. “Consumo é confiança, e o brasileiro só vai comprar se tiver certeza de que vai conseguir pagar. Se não, ele vai cortar todos os custos”, diz.

PLANEJAMENTO

Ao descobrir o seu diferencial, é preciso colocar no papel o que agrega valor. Em seguida, o planejamento é financeiro. “Este vai envolver capital inicial, capital de giro e fluxo de caixa”, diz Wilson Poit, diretor-superintendente do Sebrae-SP.

Segundo o especialista, o montante disponível deve cobrir a abertura, suportar os primeiros meses e ter destino certo. “É de extrema importância separar o que é dinheiro pessoal do dinheiro da empresa”, afirma.

Na visão de Nunes, a taxa de mortalidade das empresas no Brasil é alta entre o primeiro e o segundo ano justamente porque os empreendedores não fazem uma reserva de capital.

PRESENÇA DIGITAL

Se antes da pandemia estar no virtual era uma opção, hoje é obrigação. É um bom momento para começar pequeno e almejar o grande, diz Nunes. De acordo com o professor, os pontos comerciais estão mais baratos, mas é importante fazer a análise de risco: qual a necessidade da loja física e qual a sua expertise de atender online? “A depender do negócio, é interessante começar no digital.”

LINHAS DE CRÉDITO

Os especialistas apontam que está mais difícil acessar linhas de crédito neste momento: as instituições financeiras reagem de acordo com o cenário econômico e político do país.

“Houve, no início da pandemia, um movimento dos bancos de auxiliarem os negócios, mas hoje existe uma série de restrições devido ao risco sistêmico brasileiro, o que dificulta a busca de dinheiro a custo barato”, afirma Nunes. Ele acrescenta que as taxas de juros estão elevadas e a necessidade de comprovar ativos para essas linhas de créditos é grande.

“Estamos entrando em um período similar ao pós-guerra, e o banco vai analisar o tempo de retorno, contribuição do empreendimento e até mesmo se a empresa está organizada”, diz Dariane Fraga, professora da FIA (Fundação Instituto de Administração).

Entre as alternativas mais citadas entre os especialistas está o Pronampe (Programa Nacional de Apoio a Microempresas e Empresas de Pequeno Porte), do governo federal. “São juros mais baixos e um tempo maior para pagar”, explica Poit, do Sebrae. O crédito pode ser solicitado por meio de instituições financeiras autorizadas.

“Muita gente acha que é só preencher o cadastro e mandar um xerox, mas não. Fazer histórico do empreendimento, com o planejamento e explicações para onde vai o dinheiro, já é um diferencial”, afirma Poit.

“Às vezes, o empreendedor é muito apaixonado pelo projeto, e está certo, mas a instituição que vai emprestar o dinheiro quer saber se o plano é exequível”, diz Ricardo Teixeira, coordenador do MBA de gestão financeira da FGV.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos