Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,34
    -1,32 (-1,60%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -1,50 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    58.713,78
    -2.116,14 (-3,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.405,06
    -69,27 (-4,70%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.628,74
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.799,40
    -298,84 (-1,03%)
     
  • NASDAQ

    15.616,50
    +29,25 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4191
    -0,0056 (-0,09%)
     

Especialistas dos EUA votam a favor de terceira dose da Pfizer para idosos

·1 minuto de leitura
Os especialistas recomendaram que a dose de reforço seja aplicada seis meses após a segunda, e disseram que profissionais de saúde deveriam ser incluídos entre as pessoas de alto risco (AFP/RODRIGO BUENDIA)

O painel médico que assessora o governo dos Estados Unidos votou nesta sexta-feira a favor de um reforço da vacina Pfizer para aqueles com mais de 65 anos e pessoas com alto risco de desenvolver a forma grave da Covid-19, mas rejeitou a terceira dose para todos os indivíduos com mais de 16 anos.

Os especialistas recomendaram que a dose de reforço seja aplicada seis meses após a segunda, e disseram que profissionais de saúde deveriam ser incluídos entre as pessoas de alto risco.

A decisão foi tomada logo após uma primeira votação, em que o comitê se opôs à terceira dose para todos as pessoas com 16 anos ou mais, o que deveria ser interpretado como um revés para o governo do presidente Joe Biden, que havia anunciado uma campanha de reforço, começando no fim de setembro, para todos os adultos americanos que tiverem recebido a segunda dose oito meses antes, com a condição de que a FDA a aprove. As recomendações do comitê não são vinculantes, mas é raro que a FDA não as siga.

Dos 18 especialistas que fazem parte do comitê (pesquisadores, epidemiologistas, especialistas em doenças infecciosas), 16 se manifestaram contra a campanha de reforço para a população em geral a partir dos 16 anos. Em particular, eles levantaram preocupações com o risco de miocardite em adolescentes do sexo masculino e homens adultos.

"Acho que isso deveria mostrar ao público em geral que os membros deste comitê são independentes da FDA e que temos algo a dizer quando somos convidados a nos reunir", declarou Archana Chatterjee, um dos integrantes.

la/led/dg/yow/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos