Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    60.012,70
    -1.486,40 (-2,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Especialistas criticam alteração em prontuário de pacientes com Covid-19 admitida por diretor da Prevent Senior

·3 minuto de leitura

BRASÍLIA — Especialistas consultados pelo GLOBO avaliam que a prática reconhecida pela Prevent Senior de adulterar prontuários de pacientes com Covid-19 está errada e pode agravar a subnotificação. Em depoimento à CPI da Covid nesta quarta-feira, o diretor da operadora de saúde, Pedro Benedito Batista Júnior, admitiu o caso ao afirmar que o código da doença era substituído no registro depois de duas ou três semanas de internação. Assim, saía a infecção por coronavírus para dar lugar a outro diagnóstico.

O código — B34.2, no caso da Covid-19 — corresponde à Classificação Internacional de Doenças (CID), que faz parte da Autorização de Internação Hospitalar (AIH). No documento, constam a identificação do paciente e os serviços realizados durante a internação. Novos registros de doença podem ser adicionados ao prontuário, mas não excluídos:

— (A omissão) é um procedimento incomum e incorreto, principalmente no contexto das doenças infecciosas. Não tem sentido suprimir o motivo da admissão no hospital — pontua o professor de Medicina da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) e pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Julio Croda, que atuou no Ministério da Saúde na gestão de Luiz Henrique Mandetta.

Para o infectologista, a exclusão dos registros pode agravar a subnotificação de óbitos por Covid-19 nos hospitais ligados à Prevent Senior:

— (O caso pode levar a) uma subnotificação de óbitos associados à Covid, porque o que vai ser reportado é que morreu de sepse ou falência múltipla de órgãos secundária a uma infecção hospitalar, e não vai estar a causa-base que seria a Covid-19.

Para a docente da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) Ethel Maciel, os impactos são bem ruins:

— Quando você faz uma mudança, você mascara a informação. É uma informação falsa e isso vai fazer com que todas as informações do ponto de vista de saúde pública fiquem prejudicadas — declara a epidemiologista.

A descoberta da CPI sobre a omissão nos prontuários fez com que Pedro Benedito passasse de testemunha à investigado. Segundo o relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), as informações obtidas serão enviadas à Procuradoria de São Paulo.

— Tudo o que aconteceu e foi diagnosticado tem que estar registrado no prontuário. Isso não poderia. (...) Se tem diagnóstico de entrada, tem que ficar no prontuário. O prontuário não pode ser adulterado ou substituído — afirma o médico sanitarista da Fiocruz Brasília Claudio Maierovitch.

Durante o depoimento, senadores que são médicos, como Otto Alencar (PSD-BA), Humberto Costa (PT-PE) e Rogério Carvalho (PT-SE), rechaçaram a prática e acusaram Pedro Benedito de desonestidade, de mentir e de esconder óbitos pela doença. Para a mestre em Direito Público Marcela Bocayuva, que atua na área Responsabilidade Civil, as famílias das vítimas podem entrar com processo e pedir indenização:

— Do ponto de vista da responsabilidade civil, se for confirmada que essa omissão foi voluntária, ele deve indenizar. A responsabilidade civil é caracterizada quando há uma ação ou omissão voluntária e, claro, uma negligência. No caso, a omissão em pegar esses dados, violar alguns direitos ou causar algum prejuízo, fica obrigado a reparar — explica a advogada. — Aí eu te pergunto: Qual é o valor da indenização? A vida tem valor?

Entre os especialistas, há o posicionamento de que o caso poderia configurar infração sanitária ou ética. Noutro momento da sessão, o diretor da Prevent Senior declarou que o único propósito da mudança era retirar o paciente do isolamento. Em caso de morte, a Covid-19 continuaria sendo considerada a causa.

— Um absurdo sem igual. Doença não é infração civil ou penal que prescreve em determinado tempo. Isso não existe. Eles aproveitaram um tempo que é de isolamento para utilizar em interesse próprio — critica o epidemiologista e professor de Clínica Médica da Universidade de São Paulo (USP) Paulo Lotufo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos