Mercado abrirá em 3 h 54 min
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,82 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,44 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,35
    +0,59 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.800,00
    +3,70 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    62.807,86
    +2.111,44 (+3,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,70 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,92 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.230,03
    +25,48 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    26.125,33
    -1,60 (-0,01%)
     
  • NIKKEI

    28.600,41
    -204,44 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    15.370,75
    +29,75 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5781
    -0,0027 (-0,04%)
     

Especialista prevê menos de 1% de emissões de carbono com criptomoedas em 2030

·2 minuto de leitura

Apesar de todas as críticas ao possível impacto no meio ambiente, a mineração de Bitcoin deve representar apenas 0,9% das emissões de carbono globais em 2030. E isso mesmo que o preço da moeda chegasse a pouco prováveis US$ 10 trilhões.

As conclusões são de um relatório da New York Digital Investment Group (NYDIG), especialista em tecnologia cripto. A NYDIG calculou o consumo futuro de energia com a atividade a partir da trajetória de preço, do mix de energia, da atividade, da localidade, da economia, dos preços da energia e dos volumes de taxa de transação.

Imagem: Reprodução/Pixabay/MasterTux
Imagem: Reprodução/Pixabay/MasterTux

Como a criação da criptomoeda depende de um sistema em que os mineradores competem para montar transações na blockchain — o que requer muita energia, boa parte dela vinda de combustíveis fósseis — as emissões do Bitcoin são proporcionais à intensidade do carbono das fontes de energia. Em 2019, dados da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, apontaram que o Bitcoin usou energia suficiente para abastecer as Filipinas.

Elon Musk disse no Twitter em maio que a Tesla não aceitaria mais a moeda como pagamento porque o uso de combustíveis fósseis para minerá-las estava crescendo rapidamente. O estudo da NYDIG, entretanto, parece otimista. "O consumo absoluto de eletricidade e a emissão de carbono não são significativos em termos globais", diz o documento.

Intensidade de emissões deve diminuir

Atualmente, por exemplo, a mineração da moeda representa 0,1% das emissões globais — 33 milhões de toneladas de dióxido de carbono em 2020, menos do que é produzido por aviação ou ar-condicionado. Depois que a China passou a reprimir a mineração, o consumo caiu de 92 terawatt horas (TWh) em março de 2021 para 49 TWh em julho. Antes disso, a maioria dos mineradores estava lá. Agora, muitos se mudaram para países que oferecem fontes de energia menos agressivas para o meio ambiente, como o Irã e os EUA.

Imagem: Reprodução/Envato/photocreo
Imagem: Reprodução/Envato/photocreo

O documento diz, ainda, que, no longo prazo, a intensidade das emissões provocadas pela mineração das criptomoedas deve diminuir. “Isso porque o desenvolvimento de fontes renováveis continua e os países têm cada vez mais descarbonizado suas redes de eletricidade", aponta o relatório.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos