Mercado abrirá em 8 h 59 min
  • BOVESPA

    106.858,87
    +1.789,18 (+1,70%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.605,56
    +8,27 (+0,02%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,99
    +0,50 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.780,60
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    50.714,01
    +1.738,80 (+3,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.309,23
    +49,07 (+3,89%)
     
  • S&P500

    4.591,67
    +53,24 (+1,17%)
     
  • DOW JONES

    35.227,03
    +646,95 (+1,87%)
     
  • FTSE

    7.232,28
    +109,96 (+1,54%)
     
  • HANG SENG

    23.632,70
    +283,32 (+1,21%)
     
  • NIKKEI

    28.282,01
    +354,64 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    15.850,00
    +7,25 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4285
    +0,0049 (+0,08%)
     

Especialista em câmbio culpa Bitcoin pela desvalorização do Real

·4 min de leitura
Cédulas de Real brasileiro e Bitcoin
Cédulas de Real brasileiro e Bitcoin

A crescente busca por Bitcoin no Brasil foi apresentada este mês por Bruno Serra, Diretor de Política Monetária do Banco Central do Brasil, segundo relatório chamado Ambiente Econômico no Pós-pandemia.

Visto que o Brasil não minera Bitcoin, tratado como um produto, a importação da criptomoeda chamou a atenção de especialistas que acreditam que isso possa estar pressionando o valor do Real em relação ao dólar.

Outros especialistas parecem não concordar com esta opinião, deixando a culpa inteiramente nas mãos do governo brasileiro visto que este montante de bitcoins “importados” é muito pequeno em relação a economia brasileira.

Importação de criptoativos tem crescido

Segundo dados do Banco Central do Brasil relacionados a importação de criptoativos, coletados desde novembro de 2017, a soma total de ativos digitais importados já ultrapassa 12 bilhões de dólares, equivalente a 66 bilhões de reais.

Importação de criptoativos, 2017-2021. Fonte: Bacen
Importação de criptoativos, 2017-2021. Fonte: Bacen

Este número chamou a atenção de algumas pessoas como Rodrigo Natali, Estrategista-Chefe da Inversa, acreditando que as criptomoedas têm grande influência no preço do Real em relação ao Dólar americano.

Dado que o altos custos de energia e importação de equipamentos de mineração tornam difícil a atividade no país, os brasileiros são obrigados a importar Bitcoin de outros países.

Vale lembrar que a China era o maior produtor de Bitcoin até a proibição da atividade no país em maio deste ano. Em alguns períodos dos últimos dois anos, é registrado que 75% da mineração estava concentrada no país.

Este processo de importação de Bitcoin foi bastante complicado nos primeiros anos do Bitcoin, brasileiros precisavam realizar vários passos para comprar a moeda.

E mesmo a introdução de exchanges nacionais, em 2013, não superou todos obstáculos, com o Bitcoin sendo operado por alguns períodos com ágios gigantes como em 2017. Mais tarde este problema foi reduzido graças a listagem de stablecoins por estas mesmas exchanges, bem como pela chegada de exchanges que operam de forma internacional, como a Binance.

Opiniões contrárias

Já outros especialistas como Fernando Ulrich, Head de Educação da Liberta Investimentos, mostram-se céticos na relação de compras de Bitcoin com a desvalorização do Real, quarta moeda que mais desvalorizou do mundo em relação ao dólar neste ano.

Segundo os últimos vídeos de Ulrich, a alta do dólar está principalmente ligada aos programas governamentais como o auxílio emergencial, já responsável pelos gastos de 108 bilhões de reais. Assim como rumores da saída de Paulo Guedes, que elevou o dólar para 5,75, bem como o estouro do teto de gastos e outros fatores como a elevação da taxa de juros pelo Banco Central.

Ou seja, para ele o Bitcoin representa uma parte muito pequena na pressão do preço do Real, causada principalmente por questões internas de controle fiscal e políticas econômicas.

Vale lembrar que embora estes bitcoins sejam importados, este dinheiro continua no Brasil e a valorização do bitcoin fez os investimentos renderem até 2.600% para quem os comprou entre janeiro e fevereiro de 2019.

Alta do dólar ajudou mineração no Brasil

Embora a mineração de Bitcoin não seja atrativa no Brasil, a alta do dólar beneficiou mineradores casuais e semiprofissionais de outras criptomoedas como Ethereum, minerada por placas de vídeo.

Enquanto o custo energético do Brasil girava em torno de 0,20 dólar por kWh em 2017, com o dólar em cerca de 3 reais, a desvalorização do Real fez com que este custo caísse para cerca de 0,12 dólar conforme o USD/BRL é negociado na faixa dos 5,50, possibilitando uma melhor concorrência com mineradores de outros países.

Tendo ou não impacto no preço da moeda local, alguns países como a Austrália estão querendo tornar-se líderes do setor, criando leis que ajudam mineradores, oferecendo descontos nos gastos de energia, bem como atraindo empreendedores que gerem empregos em seus países.

Fonte: Livecoins

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos