Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,96 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,60 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    -0,56 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    21.343,10
    +117,78 (+0,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,28 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,16 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,77 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    -7,75 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Especialista Andrey Nousi comenta queda do Bitcoin

Andrey Nousi
Andrey Nousi

Principal criptomoeda do mundo, o bitcoin atingiu o valor recorde de US$ 69 mil em novembro do ano passado. Contudo, em 2022, o jogo virou. Desde a marca histórica, o ativo acumula perdas superiores a 50% – atualmente, a cotação gira em torno de US$ 30 mil.

A queda drástica assustou muitos investidores. Ainda que o mercado de criptomoedas seja marcado por forte oscilação, o especialista Andrey Nousi aponta que a recente desvalorização do bitcoin é o estopim de uma nova era para ativos deste tipo.

“Como ponto de partida, é importante entender que, assim como outros ativos financeiros, o bitcoin e as demais criptomoedas são afetadas por condições macroeconômicas”, destaca Nousi.

Acontece que, em razão da pressão inflacionária mundial, diversos bancos centrais estão elevando as taxas de juros para conter a alta dos preços.

O Federal Reserve (Fed), a autoridade monetária dos Estados Unidos, por exemplo, elevou os juros para o intervalo entre 0,75% e 1% ao ano recentemente – e a perspectiva é de que as taxas continuem subindo, uma vez que a inflação acumulada em 12 meses supera 8% na economia norte-americana. O mesmo movimento é visto em outros países, como Inglaterra e Brasil.

“Uma consequência dos juros mais altos é a valorização dos títulos públicos. Com isso, muitos investidores deixam ativos de maior risco, como as criptomoedas, e investem em papéis considerados mais seguros”, explica o especialista, também CEO da Nousi Finance.

Criado em 2009, o bitcoin se desenvolveu na década passada, em um contexto de taxas de juros baixas. A perspectiva para os próximos anos, contudo, é de que os juros permanecem em patamares mais elevados.

“Acabou a época de ganhar dinheiro fácil com criptomoedas”, sintetiza Nousi. “Em 2021, qualquer planejamento envolvendo cripto trazia retornos atrativos facilmente. Já não é mais assim”, acrescenta.

De acordo com o especialista, o novo cenário exige que o investidor tenha mais conhecimento sobre o mercado. Desse modo, recomenda que os entusiastas busquem se especializar no segmento.

“O bitcoin está sendo regulado no Brasil, assim como em outros países. Isso também afeta o mercado e, consequentemente, a cotação do ativo”, pontua.

De todo modo, Nousi indica que a desvalorização da criptomoeda também traz oportunidades.

“A baixa é um bom momento para entrar no mercado, sobretudo no que mais deu rentabilidade nos últimos anos”, sugere.

Fonte: Livecoins

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos