Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.256,36
    -3.411,42 (-2,95%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.310,27
    -841,11 (-1,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,47
    +0,25 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.769,10
    -28,80 (-1,60%)
     
  • BTC-USD

    48.792,30
    +481,83 (+1,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    973,73
    -20,93 (-2,10%)
     
  • S&P500

    3.829,34
    -96,09 (-2,45%)
     
  • DOW JONES

    31.402,01
    -559,85 (-1,75%)
     
  • FTSE

    6.651,96
    -7,01 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    12.788,00
    -514,00 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7372
    +0,1667 (+2,54%)
     

Espanhola Abengoa pede recuperação judicial após credores perderam paciência por acordo

Nathan Allen e Jesús Aguado
·2 minuto de leitura
Torre da Abengoa no parque solar "Solucar", en Sanlucar la Mayor

Por Nathan Allen e Jesús Aguado

MADRI (Reuters) - A espanhola Abengoa, que atua nos setores de engenharia e energias renováveis, anunciou nesta segunda-feira que decidiu solicitar de forma voluntária o início de um processo de recuperação judicial, após seus credores se recusarem a ampliar o prazo para as negociações de um acordo de reestruturação.

Uma proposta de reestruturação das dívidas de 6 bilhões de euros (7,30 bilhões de dólares) da Abengoa se desfez desde que o governo regional da Andaluzia retirou uma oferta de 20 milhões de euros em financiamento como parte do acordo geral.

"O conselho de administração... continua comprometido em encontrar alternativas para evitar a inviabilidade das subsidiárias que desenvolvem a atividade do grupo e, assim, preservar empregos e tentar minimizar a perda de valor", disse a Abengoa em comunicado ao órgão regulador do mercado acionário espanhol.

O pedido de recuperação judicial foi apresentado nesta segunda-feira em um tribunal de Sevilla. No comunicado, a empresa disse que o conselho de administração decidiu que essa era a medida mais apropriada para salvaguardar os interesses da companhia e de seus credores.

Mais cedo nesta segunda, a empresa havia dito que "na ausência de uma nova autorização para a extensão do prazo", o acordo de reestruturação foi automaticamente encerrado.

Desde setembro, a Abengoa adiou repetidas vezes o prazo para concluir as negociações, enquanto lutava por alternativas ao financiamento da Andaluzia. Agora, porém, seus credores parecem ter perdido a paciência.

Um porta-voz do governo regional disse que a Andaluzia não possui ferramentas adequadas para injetar um auxílio direto à empresa.

Já um porta-voz do Ministério do Orçamento preferiu não comentar sobre a possibilidade de a Abengoa receber ajuda de um fundo de 10 bilhões de euros que visa resgatar empresas de setores estratégicos.

(Reportagem de Nathan Allen, Jesús Aguado e Joan Faus)