Mercado abrirá em 8 h 31 min
  • BOVESPA

    100.552,44
    +12,61 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.669,25
    +467,44 (+1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,79
    -0,24 (-0,60%)
     
  • OURO

    1.916,80
    -12,70 (-0,66%)
     
  • BTC-USD

    12.796,95
    +1.739,94 (+15,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    256,48
    +11,59 (+4,73%)
     
  • S&P500

    3.435,56
    -7,56 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    28.210,82
    -97,97 (-0,35%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.709,51
    -44,91 (-0,18%)
     
  • NIKKEI

    23.454,85
    -184,61 (-0,78%)
     
  • NASDAQ

    11.626,00
    -65,25 (-0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6510
    +0,0010 (+0,02%)
     

Espanha, não Itália, preocupa investidores europeus

John Ainger e Michael Msika
·2 minutos de leitura

(Bloomberg) -- A lista crescente de riscos da Espanha começa a deixar investidores nervosos.

A dívida do país não consegue acompanhar o rali regional que levou os juros dos títulos italianos - há muito tempo considerados párias da Europa e entre os de maior retorno - para perto de uma mínima histórica. Isso reduziu a diferença entre os rendimentos dos títulos espanhóis e italianos para o menor nível em mais de dois anos.

O Citigroup recomendou neste mês a venda de títulos espanhóis em relação a papéis portugueses devido a questões fiscais, novas tensões separatistas na região da Catalunha e possível rebaixamento da nota de crédito da Espanha após a S&P Global Ratings cortar a perspectiva do país para negativa.

Ao mesmo tempo, o indicador de referência do mercado acionário espanhol mostra, de longe, o pior desempenho entre os principais índices do continente neste ano.

No cerne da questão está a segunda onda da pandemia de coronavírus na Espanha, uma das mais fortes na Europa, o que provoca temores de que a crise econômica do país será mais profunda do que no resto da região. A rígida economia da Espanha e seu mercado de trabalho “disfuncional”, nas palavras do presidente do banco central espanhol, Pablo Hernández de Cos, só agravam as preocupações.

Na quarta-feira, o primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, anunciou que o país vai gastar 72 bilhões de euros (US$ 85 bilhões) ao longo de três anos na tentativa de reativar a economia.

O Banco Central Europeu também fornece suporte por meio do programa de compra de títulos, o que ameniza o impacto da perspectiva cada vez mais sombria. Mas o ritmo de compras do BCE desacelerou nos últimos meses, deixando o mercado de dívida vulnerável a uma onda vendedora, de acordo com Jan von Gerich, estrategista-chefe do Nordea Bank.

“Eles certamente têm mais do que seu quinhão de desafios no momento”, disse von Gerich. “O maior risco no curto prazo é uma onda de aversão ao risco que pode adicionar pressão de alta sobre os spreads, e o BCE tem sido lento ao reagir em suas compras.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.