Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.259,49
    -831,51 (-0,64%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.579,10
    -329,10 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,44
    -0,71 (-0,98%)
     
  • OURO

    1.822,70
    -38,70 (-2,08%)
     
  • BTC-USD

    38.746,91
    -1.337,87 (-3,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    963,30
    -29,17 (-2,94%)
     
  • S&P500

    4.223,70
    -22,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.033,67
    -265,63 (-0,77%)
     
  • FTSE

    7.184,95
    +12,47 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    28.388,62
    -48,22 (-0,17%)
     
  • NIKKEI

    28.923,89
    -367,12 (-1,25%)
     
  • NASDAQ

    13.910,25
    -71,00 (-0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0769
    +0,0149 (+0,25%)
     

Espanha expressa apoio à Argentina em negociações sobre a dívida

·2 minuto de leitura
O chefe do governo espanhol, Pedro Sánchez, e o presidente argentino, Alberto Fernández, chocam os punhos após coletiva conjunta em frente à Casa Rosada, em Buenos Aires, em 9 de junho de 2021

O chefe do governo espanhol, Pedro Sánchez, expressou seu apoio à Argentina nas negociações sobre a dívida e defendeu acelerar a vacinação para superar a pandemia, após se reunir, nesta quarta-feira (9), com o presidente Alberto Fernández durante uma visita oficial ao país sul-americano.

"Claramente a Espanha estará sempre ao lado da Argentina em suas conversas com o Fundo Monetário Internacional e com o Clube de Paris, o apoio é absoluto e total", reforçou Sánchez no Museu do Bicentenário ao presidir, ao lado de Fernández, um fórum empresarial argentino-espanhol.

Sánchez chegou na noite de terça-feira a Buenos Aires para uma visita oficial de 24 horas junto com membros de seu governo e uma comitiva de empresários para avançar na relação estratégica entre os dois países.

A visita ocorre quando a Argentina supera os 4 milhões de contágios por covid-19, com mais de 82.000 mortos e enquanto tenta encaminhar a dívida que tem com o Clube de Paris e o Fundo Monetário Internacional (FMI).

"Vamos voltar todo o nosso apoio e inteligência para que possamos, do ponto de vista multilateral, dar uma resposta à recuperação, à injeção de recursos públicos a países como Argentina e a região latino-americana", disse Sánchez.

Neste sentido, considerou que "a melhor política econômica é acelerar o processo de vacinação em nossas sociedades".

O líder europeu considerou necessário "transferir tecnologia e conhecimentos, aumentar a capacidade de produção e acelerar a distribuição" das vacinas.

Fernández, por sua vez, pediu "a socialização global da vacina (para) que todos os povos tenham a possibilidade de acessá-la porque está visto que a vacina freia o dano da pandemia".

Também agradeceu o apoio da Espanha. "Sempre estiveram ao nosso lado, nos acompanhando e atendendo nossas reivindicações no tema da dívida", disse.

O presidente argentino realizou em maio uma viagem de duas semanas por Espanha, Portugal, França e Itália, na qual obteve o apoio de seus governantes nas negociações sobre a dívida.

Desde 31 de maio corre o prazo de carência de 60 dias para que a Argentina cancele um pagamento de 2,5 bilhões de dólares com o Clube de Paris, última parte de uma dívida que tinha renegociado em 2014.

Também tem pendente uma dívida de US$ 44 bilhões com o FMI por um crédito assinado por seu antecessor, Mauricio Macri, no valor de 57 bilhões de dólares, o maior já outorgado pelo organismo.

sa-nn/yow/mps/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos