Mercado fechará em 2 h 57 min
  • BOVESPA

    106.966,25
    +923,77 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.986,06
    +81,00 (+0,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    42,96
    +0,54 (+1,27%)
     
  • OURO

    1.833,60
    -38,80 (-2,07%)
     
  • BTC-USD

    18.254,38
    -200,36 (-1,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    360,22
    -1,21 (-0,34%)
     
  • S&P500

    3.571,29
    +13,75 (+0,39%)
     
  • DOW JONES

    29.472,03
    +208,55 (+0,71%)
     
  • FTSE

    6.350,39
    -1,06 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    26.486,20
    +34,66 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    25.527,37
    -106,93 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.906,50
    +0,75 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4071
    +0,0272 (+0,43%)
     

Espanha entra em recessão com queda de 18,5% do PIB no 2º trimestre

·2 minuto de leitura
Homem passa diante de bar fechado em Madri em 9 de julho de 2020
Homem passa diante de bar fechado em Madri em 9 de julho de 2020

A Espanha entrou em recessão no segundo trimestre, ao registrar uma queda expressiva de 18,5% do Produto Interno Bruto (PIB) na comparação com o trimestre anterior devido à pandemia do novo coronavírus, anunciou o Instituto Nacional de Estatísticas (INE).

Após a contração de 5,2% no primeiro trimestre, a quarta maior economia da Eurozona registra dois períodos consecutivos de queda do PIB, a definição técnica de uma recessão.

O segundo trimestre foi marcado pelo confinamento rígido em abril, acentuado por duas semanas de paralisação de todas as atividades não essenciais.

Entre maio e junho, a saída do confinamento aconteceu de maneira progressiva.

Os setores do comércio, transportes e hotelaria foram muito afetados, com uma queda de 40% na comparação com o trimestre anterior.

A construção civil registrou queda de 24% e a indústria de 18,5%.

O turismo, um dos pilares da economia espanhola, que representa 12% do PIB do país, foi muito afetado, com um retrocesso de 60% de sua receita na comparação com o segundo trimestre de 2019.

O consumo das famílias caiu 21% na comparação com o trimestre anterior e os investimentos das empresas recuaram 22%, enquanto as exportações retrocederam mais de um terço em relação ao período janeiro-março.

O governo espanhol espera uma contração do PIB de 9,2% este ano. O Banco da Espanha, mais pessimista, prevê queda de 15%.

A Espanha foi um dos países mais afetados da Europa pela pandemia, com mais de 28.400 mortos, de acordo com o balanço oficial.

Mas também será um dos principais beneficiários do plano europeu de estímulo anunciado pela União Europeia em 21 de julho.

O país deve receber, na forma de créditos e subsídios diretos, 140 bilhões de euros (166,245 bilhões de dólares) do total de € 750 bilhões (US$ 890,6 bilhões) do plano europeu.

A ministra da Economia, Nadia Calviño, afirmou que as medidas adotadas pelo governo para apoiar as atividades, incluindo um plano de desemprego temporário, a aprovação do Estado a créditos contraídos pelas empresas ou as ajudas a autônomos, permitiram evitar uma queda de mais de 25% do PIB.

O custo das medidas, destacou, representa "20% do PIB previsto para 2020".

A pandemia destruiu mais de um milhão de empregos na Espanha no segundo trimestre, principalmente no turismo e setor de serviços.

A taxa de desemprego subiu a 15,3% em junho e o governo calcular que atingirá 19% até o fim do ano.