Mercado abrirá em 6 h 28 min
  • BOVESPA

    102.814,03
    +589,77 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.796,30
    +303,78 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,00
    +0,05 (+0,07%)
     
  • OURO

    1.792,30
    +7,10 (+0,40%)
     
  • BTC-USD

    56.898,94
    -442,89 (-0,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.434,83
    +5,90 (+0,41%)
     
  • S&P500

    4.655,27
    +60,65 (+1,32%)
     
  • DOW JONES

    35.135,94
    +236,60 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.109,95
    +65,92 (+0,94%)
     
  • HANG SENG

    23.471,79
    -380,45 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.239,60
    -44,32 (-0,16%)
     
  • NASDAQ

    16.341,00
    -49,75 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3401
    +0,0109 (+0,17%)
     

Espaço aberto na PEC dos Precatórios é justo, mas números podem ser discutidos, diz relator

·3 min de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 24.09.2019 - O senador Fernando Bezerra (MDB-PE). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 24.09.2019 - O senador Fernando Bezerra (MDB-PE). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O líder do governo no Senado e relator da PEC dos Precatórios na Comissão de Constituição e Justiça da Casa, Fernando Bezerra (MDB-PE), afirmou nesta quinta-feira (11) que vai buscar convencer os senadores de que o teto fiscal aberto pela proposta não é excessivo, mas que está aberto a "discutir" os números.

Bezerra foi designado oficialmente na quarta-feira (10) o relator da PEC dos Precatórios na CCJ do Senado, um dia após a sua aprovação na Câmara dos Deputados.

A proposta dá calote em dívidas judiciais da União e se tornou prioridade do Executivo para garantir o pagamento do Auxílio Brasil de R$ 400 de dezembro até o final de 2022, ano em que Bolsonaro deve disputar a reeleição, além de abrir espaço para outros gastos federais. Pela proposta, cerca de R$ 90 bilhões devem ser liberados para despesas no próximo ano.

Apesar de ter avançado com relativa rapidez na Câmara dos Deputados, a proposta enfrenta grande resistência no Senado. Os senadores pressionaram para que a análise fosse mais detalhada, tramitando primeiramente na CCJ da Casa, antes de ir a plenário.

Um dos focos de resistência é justamente o espaço para gastos aberto com a PEC, que concederia uma grande capacidade de gastos do presidente Jair Bolsonaro em ano eleitoral.

Em entrevista à Globonews, Bezerra repetiu o que vem falando sobre o espaço de R$ 91,6 bilhões que pode ser aberto. Disse que é "justo, adequado e necessário". No entanto, afirmou que vai "debater" com os demais senadores a questão. No dia anterior, em entrevista à jornalistas, Bezerra já havia afirmado que não descartava nenhum "aprimoramento".

"Alguns senadores sugerem que o espaço fiscal ideal ficaria entre R$ 75 bilhões e R$ 80 bilhões. Nós vamos discutir. Isso porque desses R$80 bilhões, serão consumidos aproximadamente para poder pagar o novo Auxílio Brasil. Isso porque nenhuma família pobre no Brasil deixará de receber pelo menos R$ 400", afirmou durante entrevista à emissora.

O líder do governo vem afirmando que outros R$ 24 bilhões que serão destinados para benefícios previdenciários e benefícios de prestação continuada e outros R$ 6 bilhões serão destinados para correção de despesas obrigatórias e a correção dos mínimos constitucionais.

"Então R$ 80 bilhões já não se discute. É uma matemática [...] o espaço necessário nunca será inferior a R$ 80 bilhões", afirmou.

Bezerra afirmou que os cerca de R$ 11 bilhões adicionais poderá ser usado para arcar com despesas de investimentos que teriam sido sacrificadas, como construção de casas, de estradas e obras hídricas

"O trabalho nosso ao longo das próximas semanas é mostrar que o espaço fiscal que está sendo aberto é justo, adequado e necessário. Evidente que estamos abertos a discutir esses números", afirmou.

"Ao governo interessa que a gente aprove a PEC com responsabilidade. Não existe nenhum interesse para que se aprove um espaço excessivo, ou espaço desnecessário", completou

Senadores chegaram a apresentar suas próprias Propostas de Emenda à Constituição. O senador José Aníbal (PSDB-SP) apresentou uma PEC na qual seria possível assegurar espaço fiscal de R$ 76 bilhões no orçamento. Bezerra afirmou que vai se reunir com Aníbal para discutir a questão, para "ouvir as propostas e que o governo tenha a oportunidade de explicar todo o texto que saiu da Câmara dos Deputados", afirmou.

A PEC dos Precatórios vai entrar na pauta da CCJ no dia 24 deste mês, segundo anunciou o presidente da comissão, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP).

A data compromete a previsão inicial do governo, que pretendia ver a proposta aprovada no Congresso até o dia 20. Os líderes agora trabalham com a "data-limite" de 2 de dezembro.

Nesse caso, a proposta iria a plenário durante o esforço concentrado para a realização de sabatinas de autoridades, nos dias 30 de novembro, 1 e 2 de dezembro. O governo considera que o esforço concentrado seria benéfico por proporcionar algo quórum para a aprovação da PEC.

O governo já trabalha com uma MP que prevê o pagamento de R$ 400 para eventual atraso na votação do Senado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos