Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,77
    -0,90 (-1,44%)
     
  • OURO

    1.783,50
    +5,10 (+0,29%)
     
  • BTC-USD

    54.687,61
    -1.308,38 (-2,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.247,35
    +12,94 (+1,05%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.887,22
    +27,35 (+0,40%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.766,75
    -27,50 (-0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6692
    -0,0333 (-0,50%)
     

Esforço dos EUA por energia "verde" pressiona preços globais de óleos vegetais

Naveen Thukral e Gavin Maguire
·2 minuto de leitura
Garrafas de óleo de cozinha em prateleira de supermercado

Por Naveen Thukral e Gavin Maguire

CINGAPURA (Reuters) - Esforços do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em favor dos combustíveis "verdes", à base de óleos vegetais, está ajudando a elevar preços desses produtos, que já estavam perto de máximas recordes, afetando importantes consumidores sensíveis ao custo na Índia e na África e gerando temores de inflação global de alimentos.

O índice das Nações Unidas para os preços de óleos vegetais avançou 70% desde junho do ano passado, para máximas de nove anos, depois que a escassez de mão de obra nas plantações de palma da Ásia e o clima adverso em importantes centros produtores de girassol, canola e soja diminuíram a fabricação de óleos vegetais e levaram os estoques para os menores níveis em dez anos.

A alta nos preços dos óleos vegetais ajudou a guiar um aumento no índice de preços de alimentos da ONU em geral, que alcançou o maior patamar desde 2014, prejudicando consumidores nos países em desenvolvimento e estabelecendo um desafio para os formuladores de políticas em meio às tentativas de estimular o crescimento econômico.

A recuperação na demanda após impactos da Covid-19 aumentou o aperto no mercado, assim como a eleição de Biden e suas promessas de uma "revolução da energia limpa", que parecem ter potencial de aumentar mais a demanda por biocombustíveis.

"Há um novo fator que surgiu depois da eleição do presidente Biden e que elevou a projeção para a demanda por óleo de soja: o biodesel 100%", disse Dorab Mistry, importante analista do setor de óleos vegetais.

"Quatro refinarias já disseram que vão encerrar o refino de combustível fóssil e, no lugar, começar a produzir combustíveis à base de óleos vegetais."

Os contratos futuros do óleo de palma na Malásia, referência para o óleo vegetal mais negociado do mundo, recentemente ultrapassaram 4 mil ringgits por tonelada pela primeira vez desde 2008.

O valor do óleo de canola avançou cerca de 25% neste ano, enquanto o óleo de girassol no Mar Negro subiu quase 30%. Já o óleo de soja teve ganho de mais de 27% em 2021.

"Há essa discussão antiga sobre alimento versus combustível, mas ninguém ousa discutir sobre isso, porque agora só se fala em energia 'verde'", disse Mistry, diretor da Godrej International, à Reuters.

"Vai levar muito tempo, além de muitas reclamações dos países em desenvolvimento, para que as pessoas realmente tentem diminuir o ritmo em que a energia 'verde' está sendo produzida", afirmou.

Por outro lado, a esforço em favor dos veículos elétricos ajudará a limitar o aumento no uso de óleos vegetais para a produção de biodiesel, destacou Phin Ziebell, economista de agronegócios do National Australia Bank em Melbourne.

"É mais provável que o biodiesel vá para o transporte pesado, como caminhões e trens, assim como para serviços de terraplanagem e construção", disse ele.