Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.291,59
    +413,06 (+0,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.934,21
    +259,38 (+0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,64
    +0,36 (+0,80%)
     
  • OURO

    1.844,80
    +3,70 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    19.472,22
    +523,32 (+2,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    382,19
    +7,79 (+2,08%)
     
  • S&P500

    3.666,72
    -2,29 (-0,06%)
     
  • DOW JONES

    29.969,52
    +85,73 (+0,29%)
     
  • FTSE

    6.490,27
    +26,88 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.488,25
    +34,00 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2371
    -0,0827 (-1,31%)
     

Esfacelado, ataque do Palmeiras volta a passar em branco após nove jogos

LANCE!/NOSSO PALESTRA
·2 minuto de leitura


A derrota do Palmeiras por 1 a 0 para o Goiás neste último sábado (21) teve um gosto amargo para Abel Ferreira, que viu o seu primeiro revés no comando do clube acontecer nos últimos minutos da partida. Porém, o mau resultado não foi o único problema que o técnico viveu em Goiânia.

Pela primeira vez em seu comando, o Palmeiras não conseguiu balançar a rede adversária. A última vez em que isso havia acontecido com a equipe foi no duelo diante do Fortaleza, no Castelão, há nove jogos, quando Andrey Lopes ainda era o treinador alviverde.

Nos primeiros cinco jogos do novo comandante português, o Verdão havia feito nove gols e sofrido apenas dois, sendo que Abel nem estava no banco na partida dos dois únicos gols sofridos (que foi o jogo de volta contra o Ceará nas quartas de final da Copa do Brasil), pois estava suspenso na competição em questão.

O Palmeiras também perdeu o posto do “time que passou em branco em menos jogos neste Brasileirão”. A equipe fez gols em 18 de suas 21 partidas até o momento, porém, agora foi ultrapassada pelo São Paulo, que possui um aproveitamento melhor, balançando as redes em 16 de 18 partidas.

Muitas ausências no ataque do Palmeiras

Luiz Adriano sentiu a coxa esquerda ainda no início de jogo contra o Goiás e deixou o gramado para a entrada do jovem Fabrício. Essa não é a primeira vez que o camisa 10 sofre com incômodos musculares desde que chegou ao clube. Na temporada passada, Luiz já havia desfalcado o time de Mano Menezes por diversas rodadas do Brasileirão.

Luiz Adriano
Luiz Adriano

(Foto: César Greco/Ag. Palmeiras)

Neste ano, apesar de não ter lesionado, de fato, o músculo da coxa em momento algum, o atleta foi poupado de diversas partidas para evitar justamente uma lesão mais grave, uma vez que os exames acusavam desgaste no corpo do atacante de 33 anos.

TABELA
> Veja a classificação do Brasileirão e simule os próximos jogos

Com Willian e Breno Lopes com Covid-19, o setor ofensivo do time ruiu. Contudo, agora para o próximo duelo diante do Delfín, pela Copa Libertadores, Abel Ferreira ganhou importantes reforços para o ataque alviverde voltar a balançar as redes.

Rony e Gabriel Silva treinaram neste domingo (22) e já ficam à disposição do clube, que perdeu muita agressividade e velocidade pelos lados com tantos desfalques. Gabriel Veron é outro nome que pode se curar da Covid-19 e retornar ao elenco alviverde antes de a bola rolar no Equador, visto que já terão se passados os dez dias de isolamento após ter testado positivo para o novo coronavírus.

Mas o que preocupa o torcedor palmeirense mesmo é a posição de centroavante não ter nenhuma peça de reposição à altura de Luiz Adriano. O Palmeiras ainda não divulgou um prazo para o retorno do camisa 10, que provavelmente desfalcará o ataque do time por mais algumas rodadas.