Mercado abrirá em 2 h 57 min
  • BOVESPA

    106.858,87
    +1.789,18 (+1,70%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.605,56
    +8,27 (+0,02%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,12
    +1,63 (+2,35%)
     
  • OURO

    1.783,70
    +4,20 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    51.281,10
    +3.009,04 (+6,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.328,32
    +68,16 (+5,41%)
     
  • S&P500

    4.591,67
    +53,24 (+1,17%)
     
  • DOW JONES

    35.227,03
    +646,95 (+1,87%)
     
  • FTSE

    7.314,58
    +82,30 (+1,14%)
     
  • HANG SENG

    23.983,66
    +634,28 (+2,72%)
     
  • NIKKEI

    28.455,60
    +528,23 (+1,89%)
     
  • NASDAQ

    16.087,75
    +245,00 (+1,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4259
    +0,0023 (+0,04%)
     

Escultura branca maciça em Nova York convida a "ouvir o silêncio da água"

·1 min de leitura
Escultura "Alma da Água", de Jaume Plensa, em Jersey City

Por Peter Szekely

NOVA YORK (Reuters) - Uma estátua imponente de uma cabeça de mulher com o dedo indicador encostado nos lábios encara a parte baixa de Manhattan ao longo do Rio Hudson, em Nova York, convidando a metrópole caótica a parar e escutar.

"A água, quando se move, faz um som especial, muito especial", disse Jaume Plensa, artista radicado em Barcelona.

A mensagem de sua "Alma da Água" de 24 metros, sua maior obra até hoje, é "ficar quieto... para ouvir o ruído profundo da água falando conosco", disse ele em uma entrevista.

A cabeça branca como a neve contempla uma vista ampla do rio diante de uma floresta de arranha-céus na orla de Newport, bairro de Jersey City que cresce rapidamente. Ela está diretamente em frente a Greenwich Village e cerca de seis quilômetros distante da Estátua da Liberdade, uma sentinela mais familiar da enseada.

Em uma manhã recente na qual Plensa viu a peça montada pela primeira vez, seu pedido de silêncio competiu com a vibração de motores a diesel do terminal ferroviário próximo de Hoboken, o rugido de helicópteros nos céus e gritos e risadas de crianças em carrinhos ao longo das passarelas à beira do rio.

Mas estes não são os tipos de ruído que Plensa diz que sua obra de arte está visando.

"Estou falando do ruído da informação e das mensagens para nós", explicou ele na Galerie Lelong Co de Nova York, onde uma exibição de novos trabalhos estreia no dia 29 de outubro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos