Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    22.917,28
    -24,82 (-0,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Escritório do BNP Paribas em Frankfurt é revistado em investigação sobre fraude fiscal

BERLIM (Reuters) - O BNP Paribas informou nesta quarta-feira que procuradores estavam fazendo buscas em suas instalações em Frankfurt como parte de uma longa investigação sobre um esquema de fraude fiscal de bilhões de euros conhecido como "cum-ex", e que estava cooperando plenamente.

Procuradores alemães disseram que estão realizando uma busca em uma instituição bancária em Frankfurt desde terça-feira em relação ao cum-ex, sem nomear o banco.

“Como temos feito desde o início da investigação em 2017, continuamos a cooperar plenamente com o Ministério Público de acordo com os requisitos legais”, afirmou um porta-voz do banco.

Os procuradores disseram que sua investigação também envolveu buscas em residências particulares em três Estados alemães e está focada em 58 suspeitos que eram ou são profissionais ativos para o banco.

A medida visa encontrar e-mails relevantes e correspondência escrita, segundo eles.

Cerca de 130 policiais, promotores públicos e investigadores fiscais estavam envolvidos.

O esquema de negociação cum-ex, que floresceu após a crise de crédito de 2008, envolvia a negociação rápida de ações da empresa nos dias de pagamento de dividendos, ofuscando a propriedade dos papéis e permitindo que várias partes reivindicassem descontos de impostos sobre dividendos.

O escândalo abalou os círculos políticos e financeiros alemães, com parlamentares alegando que custou bilhões de euros aos contribuintes.

(Reportagem de Marta Orosz)