Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,86
    -0,29 (-0,46%)
     
  • OURO

    1.735,50
    -0,80 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    62.897,97
    -407,85 (-0,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,51
    -8,26 (-0,60%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.939,58
    +49,09 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.705,79
    -195,04 (-0,67%)
     
  • NIKKEI

    29.700,21
    +79,22 (+0,27%)
     
  • NASDAQ

    13.800,75
    +2,00 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7743
    +0,0014 (+0,02%)
     

Escolas de SP já registram mais de 4 mil casos de COVID-19

Fidel Forato
·3 minuto de leitura

Em fevereiro, as escolas do estado de São Paula puderam iniciar o novo ano letivo, inclusive de forma presencial, respeitando as recomendações para conter a transmissão do novo coronavírus (SARS-CoV-2). Passado pouco mais de um mês, a Secretaria Estadual de Educação de SP notificou, nesta terça-feira (9), 4.084 casos confirmados da COVID-19 entre estudantes, professores e funcionários nas escolas públicas e privadas.

"A confirmação de 78% (3.205) dos casos foi por meio do teste molecular RT-PCR, seguido de 13% (548) por testes rápidos de antígeno ou anticorpos e 6% (274) teste sorológico como Elisa, quimiluminescência e eletroquimiluminescência", detalha o Boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria. Com a pequena quantidade de testagem, é possível também que haja uma subnotificação dos casos.

Escolas de SP já registram mais de 4 mil casos da COVID-19 desde o início do ano letivo (Imagem: Marco Fileccia/ Unsplash)
Escolas de SP já registram mais de 4 mil casos da COVID-19 desde o início do ano letivo (Imagem: Marco Fileccia/ Unsplash)

Estas ocorrências confirmadas da COVID-19 foram registradas em 2.048 escolas de um total de 29,8 mil estabelecimentos de ensino em todo o estado de SP. "A proporção de escolas com casos confirmados foi de 35% na rede municipal, seguida de 40% na rede estadual e 50% das escolas privadas, que notificaram/registraram casos confirmados", explica o boletim epidemiológico.

Além das confirmações de casos do coronavírus, foram notificados, no total, 24,3 mil casos suspeitos da COVID-19 em 4,8 mil escolas, o que significa que apenas 17% foram efetivamente confirmados. De acordo com a Secretaria, a proporção de casos confirmados no ambiente escolar é 33 vezes menor do que a registrada no estado.

Funcionários e professores foram mais infectados

Segundo os dados divulgados sobre a COVID-19 dentro das escolas, a maior parte dos casos confirmados (62%) atingiu funcionários e professores de escolas, o que representa 2.526 pessoas. Entre alunos, foram 1.558 confirmações de infecções pelo coronavírus. Deste total de casos, 21 mortes foram confirmadas em decorrência da infecção, sendo duas de estudantes e as outras 19 mortes de professores ou funcionários.

Com a Fase Vermelha de contingenciamento do coronavírus impostada no estado de SP e o crescente aumento de casos e óbitos, algumas medidas são obrigatórios para o funcionamento das escolas, de forma presencial, como o limite de ocupação de 35% dos alunos. Entre os outros protocolos que a secretaria tem exigido das escolas para evitar a disseminação da doença estão: a aferição de temperatura na entrada dos estabelecimentos de ensino; o uso obrigatório de máscara; a ventilação dos ambientes; o distanciamento físico de ao menos 1,5 metro; e a adoção de medidas de higiene.

A partir do levantamento feito com os casos confirmados da COVID-19 dentro das escolas, a Secretaria de Educação comenta: "A frequência presencial nas escolas não parece contribuir de maneira significativa para a transmissão comunitária como um todo, o que serve para atestar que, no contexto da pandemia, o espaço escolar pode configurar um ambiente mais seguro do que outros, se for considerada a chance de contaminação pela COVID-19".

No entanto, profissionais da educação apontam para a necessidade de melhores medidas para evitar o contágio da COVID-19, principalmente no quesito da higienização e o uso das máscaras pelos alunos. Além disso, os professores e funcionários dos colégios que atuam de forma presencial ainda não têm previsão para serem vacinados contra o coronavírus.

Para acessar o Boletim epidemiológico completo, divulgado pela Secretaria de Educação de SP, clique aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: