Mercado fechará em 5 h 41 min
  • BOVESPA

    106.549,35
    -1.901,85 (-1,75%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.972,95
    -469,26 (-1,03%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,46
    -0,69 (-0,84%)
     
  • OURO

    1.662,40
    -7,60 (-0,46%)
     
  • BTC-USD

    18.932,67
    -162,51 (-0,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    433,25
    -12,73 (-2,85%)
     
  • S&P500

    3.626,33
    -92,71 (-2,49%)
     
  • DOW JONES

    29.102,93
    -580,81 (-1,96%)
     
  • FTSE

    6.848,25
    -157,14 (-2,24%)
     
  • HANG SENG

    17.165,87
    -85,01 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    26.422,05
    +248,07 (+0,95%)
     
  • NASDAQ

    11.206,75
    -349,00 (-3,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2754
    +0,0428 (+0,82%)
     

Escolas municipais só reabriram em 16,2% das cidades brasileiras neste ano

·2 min de leitura
**ARQUIVO** SÃO PAULO, SP, 08.02.2021: Estudantes no primeiro dia de aula presencial em escola estadual, em SP. (Foto: Rubens Cavallari/Folhapress)
**ARQUIVO** SÃO PAULO, SP, 08.02.2021: Estudantes no primeiro dia de aula presencial em escola estadual, em SP. (Foto: Rubens Cavallari/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As escolas municipais só voltaram a receber alunos para atividades presenciais em 16,2% das cidades brasileiras neste ano.

Na maior parte delas (15,1%) as aulas ocorrem de forma híbrida, ou seja, com parte dos alunos ainda em casa. Em apenas 1,1% as aulas são totalmente presenciais.

Os dados são de pesquisa feita pela Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação), com apoio do Unicef e do Itaú Social, entre os dias 15 de junho e 9 de julho.

O levantamento, divulgado nesta quinta (22) identificou a situação das escolas em 3.355 redes de ensino, que representam 60% dos municípios brasileiros, e juntas são responsáveis pela matrícula de mais de 13 milhões de estudantes.

O Brasil é um dos países do mundo em que as escolas ficaram fechadas por mais tempo durante a pandemia. Desde o início da crise sanitária, especialistas alertavam que os municípios, por terem menos recursos financeiros e técnicos, teriam maior dificuldade para lidar com os novos desafios educacionais.

Responsáveis pela maior parte das matrículas na educação básica (48,4%), as redes municipais não receberam apoio do governo federal para o retorno às atividades presenciais. Apesar da falta de ações de coordenação e ajuda financeira, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, fez um pronunciamento em rede nacional na noite de quinta (20) para pressionar estados e municípios pela reabertura das escolas.

Além de não terem retomada as aulas presenciais, 43% dos municípios afirmou ainda não ter conseguido concluir o protocolo sanitário para o retorno dos alunos às escolas.

"É urgente que as escolas tenham seus protocolos de prevenção implementados e possam retomar as atividades presenciais de forma segura em agosto. Para isso, é imprescindível que os governos federal, estaduais e municipais trabalhem de forma articulada", disse Ítalo Dutra, chefe de educação do Unicef.

A falta de apoio e a piora da pandemia no início do ano letivo de 2021 prejudicou o planejamento dos municípios para a educação. Em março, 30,1% das redes informaram, em edição anterior da pesquisa, que iriam retomar as aulas presenciais.

A expectativa é de que, em agosto, com o avanço da vacinação dos profissionais da educação e a redução dos indicadores da pandemia no país, haja um número maior de escolas municipais reabertas.

Em 95,1% dos municípios, a imunização dos profissionais da área já começou. O governo federal autorizou que a categoria fosse incluída no calendário vacinal no início de junho, por conta do intervalo entre as doses, a maioria dos trabalhadores não deve ter a imunização completa antes do início de agosto.