Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.249,73
    +1.405,98 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.828,13
    +270,48 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,51
    +0,22 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.774,90
    +11,10 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    40.881,11
    -2.742,09 (-6,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.016,33
    -47,52 (-4,47%)
     
  • S&P500

    4.354,19
    -3,54 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.919,84
    -50,63 (-0,15%)
     
  • FTSE

    6.980,98
    +77,07 (+1,12%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    14.987,50
    -22,00 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1816
    -0,0631 (-1,01%)
     

Escassez global de chips atrasa e até paralisa produção de eletrônicos no Brasil

·2 minuto de leitura

Poucas empresas no mundo fabricam todos os chips que a indústria de eletrônicos mundial usa em seus produtos. Isso porque a confecção desses componentes é extremamente complexa e cara. Para se ter uma ideia, uma oficina de última geração pode custar até US$ 20 bilhões (aproximadamente R$ 104 bilhões na cotação atual). E o processo de ajustes para que a unidade se torne operacional pode levar anos.

Com a pandemia, muitas dessas indústrias tiveram suas atividades paralisadas. Sem a produção dos chips, a carência logo veio. Primeiro, afetou as montadoras de automóveis. Agora, chegou às fábricas brasileiras de eletrônicos, como TVs, notebooks e celulares: quatro a cada dez delas apresentam atrasos ou interrupções de produção.

Imagem: Reprodução/Envato
Imagem: Reprodução/Envato

Segundo a Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), 12% dos fabricantes do setor tiveram de parar parte da produção no mês passado por falta de componentes eletrônicos. Esse é o maior registro desde fevereiro, quando a entidade começou a acompanhar o impacto da ausência desses insumos no mercado.

Por enquanto, nenhuma unidade de eletrônicos teve de parar completamente a produção por aqui. Mesmo assim, os fabricantes desses produtos relatam dificuldades para comprar o insumo: em maio, eles eram 55% e, em junho, chegaram a 71%.

Normalização só em 2022

O Gartner avalia que essa escassez mundial de semicondutores só deve ser superada no segundo trimestre de 2022. A maior parte das empresas do setor (42%) aposta nessa previsão. Estima-se que a falta de chips possa vir a afetar severamente a cadeia de suprimentos e limitar a produção de equipamentos eletrônicos em 2021.

Esses componentes são atualmente o principal material em falta na indústria de eletroeletrônicos, que enfrenta, ainda, dificuldade na aquisição de cobre e materiais plásticos. Hoje, 26% das empresas têm estoques de componentes e matérias-primas ao nível considerado abaixo do normal.

Imagem: Reprodução/Envato/orcearo
Imagem: Reprodução/Envato/orcearo

O levantamento da Abinee mostra, ainda, que quase todos os fabricantes do setor (93%) apontam o aumento dos preços de componentes como acima do normal em razão da combinação de escassez, aumento de tarifas de fretes marítimo e aéreo, e desvalorização cambial. Como resultado, o consumidor final passou a sentir isso diretamente: os produtos estão mais caros.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos