Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,78
    +0,17 (+0,32%)
     
  • OURO

    1.847,00
    -3,90 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    32.206,57
    -152,05 (-0,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,64
    +3,32 (+0,51%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.654,01
    +15,16 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.740,26
    +194,08 (+0,68%)
     
  • NASDAQ

    13.546,75
    +61,25 (+0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5129
    +0,0021 (+0,03%)
     

Escassez de chips força Ford, Toyota e Nissan a cortarem produção

·1 minuto de leitura

TÓQUIO/DETROIT (Reuters) - Ford, Toyota e Nissan afirmaram nesta sexta-feira que vão cortar produção de veículos neste mês por causa de escassez de chips, reforçando o grupo de montadoras atingidas por problemas de falta de componentes.

A Honda também afirmou nesta sexta-feira que sua produção no Japão poderá ser afetada por escassez de semicondutores.

Montadoras de veículos e fabricantes de produtos eletrônicos enfrentam problemas na oferta de componentes diante do descompasso entre a demanda e a recuperação da oferta causado pela pandemia de coronavírus.

A Ford afirmou que vai paralisar fábrica no Estado norte-americano de Kentucky. A unidade produz os utilitários Ford Escape e Lincoln Corsair. A Toyota informou que vai cortar produção da picape Tundra no Texas.

A Ford não informou os fornecedores dos chips que utiliza em seus modelos e a expectativa é que a fábrica volte a operar na semana seguinte. "Estamos trabalhando de perto com os fornecedores para resolver potenciais restrições na oferta relacionadas à escassez de semicondutores", disse uma porta-voz da montadora.

A Nissan afirmou que planeja reduzir a produção do híbrido Note na fábrica de Kanagawa.

No mês passado, a Volkswagen afirmou que enfrentava falta de semicondutores e que iria ajustar produção em fábricas na China, América do Norte e Europa.

(Por Noriyuki Hirata e Eimi Yamamitsu)