Mercado fechado

Escândalo da Americanas será discutido no Congresso, diz senador

***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, BRASIL, 09.08.2016. O senador Otto Alencar participa da cerimônia de lançamento do Programa de Revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, no Palácio do Planalto.  (FOTO Alan Marques/ Folhapress)
***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, BRASIL, 09.08.2016. O senador Otto Alencar participa da cerimônia de lançamento do Programa de Revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, no Palácio do Planalto. (FOTO Alan Marques/ Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O senador Otto Alencar (PSD-BA) quer levar a discussão sobre o escândalo contábil da Americanas para a CAE (Comissão de Assuntos Econômicos) do Senado. Ele diz que acionistas, sócios e a PwC, responsável pela consultoria da varejista, precisam ser convocados para explicar o caso aos senadores.

"É preciso levantar quem são os credores, se os bancos públicos como BNDES, Banco do Brasil, Caixa Econômica, Banco do Nordeste ou qualquer outro estão nessa lista. Teremos que avaliar essas coisas todas", disse o parlamentar.

Alencar é o atual presidente da CAE, mas não deve seguir no comando da comissão após o fim do recesso parlamentar. Questionado sobre a intenção do senador diplomado Sergio Moro (União Brasil-PR), de debater o assunto em um colegiado especial, Alencar afirma que não há necessidade em remover da CAE essa atribuição.

A ideia de Moro é montar, nessa comissão especial, um projeto de lei que fortaleça a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e blinde o mercado financeiro de crises como a da Americanas.

"Na volta do recesso a comissão deve discutir se será uma oitiva ou uma audiência pública. É um problema que temos de debater, até porque essa crise deve gerar demissão em massa. A Americanas é uma empresa com muitos funcionários e acredito que esse será um caminho inevitável", disse Alencar.