Mercado abrirá em 24 mins
  • BOVESPA

    124.612,03
    -1.391,83 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.910,53
    +12,74 (+0,03%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,52 (+0,73%)
     
  • OURO

    1.796,40
    -3,40 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    40.688,54
    +2.459,28 (+6,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    951,25
    +75,02 (+8,56%)
     
  • S&P500

    4.401,46
    -20,84 (-0,47%)
     
  • DOW JONES

    35.058,52
    -85,79 (-0,24%)
     
  • FTSE

    7.001,42
    +5,34 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.581,66
    -388,56 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    15.006,00
    +58,25 (+0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0796
    -0,0288 (-0,47%)
     

Erro em biometria facial incrimina jovem negra e reacende debate sobre racismo

·2 minuto de leitura

Na última quinta-feira (15), a jovem Lamya Robinson foi impedida de entrar em uma pista de patinação na cidade de Michigan por supostamente ter sido banida após uma briga — no entanto, ela jamais havia entrado no local antes. O responsável pela falsa identificação foi o sistema de biometria facial usado pelas câmeras instaladas no local, situação que ajudou a reacender o debate sobre o racismo associado a tecnologias do tipo.

“Para mim, isso é basicamente o uso de perfis raciais”, afirmou a mãe de Lamya, Juliea Robinson, em uma entrevista à rede Fox 2 Detroit. “Você está apensar dizendo que toda jovem negra com óculos se encaixa nesse perfil, e isso não está certo”. Os responsáveis pela pista de patinação afirmam que a jovem foi barrada porque o sistema disse que havia 97% de precisão em sua identificação e que desculpa por qualquer possível erro.

A situação traz à tona um velho problema associado à biometria facial: tecnologias do tipo geralmente têm mais dificuldade em distinguir entre pessoas negras do que entre pessoas com pele branca. Os sistemas presentes no mercado possuem uma precisão que varia entre 75,8% e 87,5% quando aplicadas sobre essa parcela da população, o que tem resultados em diversos erros com consequências graves.

Imagem: Reprodução/Fox 2 Detroit
Imagem: Reprodução/Fox 2 Detroit

Muito disso se deve à combinação entre a imprecisão da tecnologia ao seu uso mais intenso em áreas consideradas pobres, que geralmente são habitadas por minorias. Nos Estados Unidos, isso já levou a prisões injustas e há relatos de que uma maioria negra de desempregados pode ter ficado sem benefícios devido a falhas de reconhecimento facial.

Preocupações sobre direitos civis

Especialistas também afirmam que o uso de softwares de reconhecimento também pode aumentar a segregação entre pessoas. “Trata-se de quem tem acesso a espaços públicos em um mundo de segregação controlada por máquinas”, explica Ángel Días, advogado do Programa de Liberdade e Segurança Nacional no Brennan Center.

As preocupações sobre os impactos que a biometria facial pode trazer fizeram com que diversos reguladores da União Europeia se unissem para banir o uso da tecnologia em espaços públicos. A situação se repete nos Estados Unidos, país no qual grupos de direitos civis também se organizam para estender o banimento ao varejo, tanto devido às violações de privacidade resultantes quanto pelo fato de que elas podem fazer com que comunidades não-brancas historicamente pobres tenham acesso a bens de consumo e oportunidades de trabalho.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos