Mercado abrirá em 2 h 40 min
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,79
    -0,49 (-0,80%)
     
  • OURO

    1.710,00
    -5,80 (-0,34%)
     
  • BTC-USD

    48.924,67
    -2.037,27 (-4,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,06
    -5,15 (-0,52%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.616,19
    -59,28 (-0,89%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.607,75
    -74,00 (-0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7699
    -0,0088 (-0,13%)
     

Ernesto Araújo diz que Brasil "tem tudo para ter boa relação" com governo Biden

Ricardo Brito
·2 minuto de leitura
Chanceler Ernesto Araújo

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou nesta quinta-feira que o Brasil "tem tudo para ter uma boa relação" com o governo do presidente recém-empossado dos Estados Unidos, Joe Biden, e citou que os dois países têm muito em comum, como atuação nas áreas de segurança e na defesa da democracia.

Em transmissão pelas redes sociais ao lado do presidente Jair Bolsonaro, Araújo disse que há interesses de ambos os lados, citando, por exemplo, o empresariado. Destacou ainda que pretende trabalhar junto com os EUA na questão do meio ambiente.

Entretanto, o chanceler disse que há um problema porque o Brasil tem que ser visto pelo que é, e não pelas "distorções" que são publicadas pela imprensa, segundo ele.

Durante a corrida à Casa Branca no ano passado, o democrata Biden criticou a política para o meio ambiente do governo Bolsonaro, que era entusiasta na época da reeleição do então presidente dos EUA, o republicano Donald Trump.

Bolsonaro foi um dos chefes de Executivo que mais relutou em cumprimentar Biden pela vitória nas eleições presidenciais dos EUA, realizadas em novembro passado, e chegou a reafirmar repetidas vezes as alegações de Trump, sem evidências, de que teria havido fraude nas eleições dos Estados Unidos.

Na véspera, no entanto, Bolsonaro enviou uma carta a Biden defendendo que os dois países têm interesse em um "abrangente acordo de livre comércio" que gere mais empregos e investimentos e aumente a competitividade global de suas empresas.

Ernesto Araújo também disse na transmissão que o novo governo dos EUA reconheceu o líder de oposição Juan Guiadó como presidente legítimo da Venezuela. Essa é a mesma posição do governo brasileiro.

O chanceler destacou que a situação da Venezuela não pode ser aceita e que busca articular medidas para se chegar a soluções no país vizinho, que enfrenta uma grave crise econômica durante o governo do presidente Nicolás Maduro.