Mercado abrirá em 6 h 38 min
  • BOVESPA

    120.705,91
    +995,88 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.829,31
    +80,90 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,63
    -0,19 (-0,30%)
     
  • OURO

    1.827,60
    +3,60 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    49.217,89
    -1.806,90 (-3,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.358,86
    -29,04 (-2,09%)
     
  • S&P500

    4.112,50
    +49,46 (+1,22%)
     
  • DOW JONES

    34.021,45
    +433,79 (+1,29%)
     
  • FTSE

    6.963,33
    -41,30 (-0,59%)
     
  • HANG SENG

    27.960,18
    +241,51 (+0,87%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.178,00
    +77,75 (+0,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4143
    +0,0018 (+0,03%)
     

Equivalência para finanças de Londres não será rápida, diz UE

Silla Brush e Nikos Chrysoloras
·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A comissária para serviços financeiros da União Europeia disse que o bloco não está sob pressão para ajudar empresas financeiras de Londres a acessarem o mercado e alertou que não haverá nenhuma decisão em breve, enquanto o Reino Unido elabora regras diferentes para o setor.

Em entrevista na quarta-feira, Mairead McGuinness disse que a UE poderia realizar uma reunião sobre questões de acesso a mercado até meados do ano, mas ainda está em processo de finalização do memorando de entendimento sobre cooperação regulatória pós-Brexit fechado no mês passado.

“Sei que provavelmente há apetite do lado do Reino Unido para que nos sentemos e comecemos”, disse McGuinness. “Certamente, estamos muito interessados em fazer isso, mas não estamos sob pressão para fazê-lo.”

McGuinness disse que o interesse da UE é proteger a estabilidade financeira do bloco e que autoridades pretendem examinar os planos do Reino Unido para divergir dos padrões financeiros da UE.

“Não há pressa”, afirmou. “Não há pressão. Não há pânico.”

Desde que o Brexit entrou em vigor no início de 2021, empresas financeiras com sede em Londres não têm conseguido operar livremente no bloco, o que levou bancos como JPMorgan Chase e Goldman Sachs a transferirem bilhões de dólares em ativos e milhares de funcionários para o continente.

O acordo comercial assinado pelos dois lados no ano passado excluiu em grande parte o setor financeiro, e a UE disse desde então que não tem pressa em conceder as decisões de equivalência que restabeleceriam os direitos de negociação das empresas britânicas.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.