Mercado fechado

Um mês após explosão, equipes de resgate detectam batimentos cardíacos nos escombros de Beirute

·2 minutos de leitura
Socorristas chilenos e um cão farejador buscam sobreviventes entre os escombros de um prédio desabado em Beirute pela explosão de 4 de agosto
Socorristas chilenos e um cão farejador buscam sobreviventes entre os escombros de um prédio desabado em Beirute pela explosão de 4 de agosto

Equipes de resgate, entre elas uma equipe chilena, escavavam nesta quinta-feira (3) em busca de sobreviventes entre os escombros em um bairro da capital libanesa destruído pela explosão de um mês atrás no porto adjacente, depois que seus scanneres detectaram um batimento cardíaco.

Um cão farejador utilizado pelos socorristas chilenos na noite de quarta-feira respondeu a um rastro procedente do local onde um prédio desabou no bairro de Gemmayzeh, explicou o governador da cidade de Marwan Abboud à imprensa.

Leia também:

"Pode haver sobreviventes", disse, acrescentando que os scanners haviam detectado um batimento cardíaco, apesar de serem mínimas as esperanças de encontrar alguém com vida mais de quatro semanas depois da explosão.

"Esperamos que alguém tenha sobrevivido", disse Abboud.

Michel al Mur, do departamento de bombeiros de Beirute, afirmou igualmente que haviam detectado um batimento a cerca de dois metros abaixo dos destroços.

"Uma pessoa, de acordo com a câmera [térmica], ainda tem pulsação", acrescentou.

O prédio desabou completamente devido à explosão que matou 191 pessoas, feriu mais de 6.500 e destruiu áreas inteiras de Beirute.

Sete pessoas continuam desaparecidas, segundo o exército libanês.

Os socorristas chilenos, as equipes de defesa civil libanesas e os bombeiros de Beirute continuam escavando a área.

Em declarações ao canal local LBCI, um socorrista disse que os scanners reconheceram uma frequência respiratória de "19 respirações por minuto".

Na sexta-feira, fará um mês da explosão que, segundo as autoridades, foi causada por toneladas de nitrato de amônio armazenadas há anos no porto de Beirute.