Mercado abrirá em 2 h 53 min
  • BOVESPA

    112.486,01
    +1.576,40 (+1,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.684,86
    +1.510,80 (+3,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,80
    +0,25 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.792,20
    +32,30 (+1,84%)
     
  • BTC-USD

    17.110,20
    +208,45 (+1,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    405,36
    +4,67 (+1,16%)
     
  • S&P500

    4.080,11
    +122,48 (+3,09%)
     
  • DOW JONES

    34.589,77
    +737,24 (+2,18%)
     
  • FTSE

    7.580,07
    +7,02 (+0,09%)
     
  • HANG SENG

    18.736,44
    +139,21 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    28.226,08
    +257,09 (+0,92%)
     
  • NASDAQ

    12.035,50
    -6,75 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4083
    +0,0118 (+0,22%)
     

Equipes de F1 buscam acordo sobre teto de gastos em reunião na Áustria

Chefe da equipe Williams, Jost Capito, durante Grande Prêmio da Emilia Romagna

Por Alan Baldwin

(Reuters) - As equipes de Fórmula 1 discutirão um ajuste no teto de gastos, para refletir os crescentes custos de energia e inflação, em uma reunião na Áustria na sexta-feira, embora um acordo ainda possa demorar algumas semanas.

A situação será discutida pela comissão de Fórmula 1 da FIA antes do Grande Prêmio da Áustria no Red Bull Ring em Spielberg.

"Como a comissão está marcada para apenas duas horas, temos que nos alinhar muito rapidamente. Acho que vamos discutir as várias opções", disse o chefe da equipe Williams, Jost Capito, a repórteres em Silverstone no último fim de semana.

"Tenho certeza de que encontraremos um compromisso que funcione para todos nós", acrescentou.

Andreas Seidl, da McLaren, espera que a reunião alcance uma "solução no melhor interesse do esporte e encerre o assunto".

Outros disseram que um grupo financeiro provavelmente seria solicitado a apresentar um plano final antes que o assunto pudesse ser encerrado antes da pausa de agosto.

As principais equipes dizem que eventos mundiais inesperados, como a guerra na Ucrânia, tornaram impossível para elas permanecerem dentro do teto orçamentário de 140 milhões de dólares e chamaram isso de situação de força maior.