Mercado fechará em 2 h 2 min

Equipe de transição em energia tem perfil técnico, mas mercado espera ministro político

***ARQUIVO***RIO DE JANEIRO, RJ - Mauricio Tolmasquim, que foi secretário-executivo do MME e presidente da EPE (Empresa de Planejamento Energético). (Foto: Zô Guimarães/Folhapress)
***ARQUIVO***RIO DE JANEIRO, RJ - Mauricio Tolmasquim, que foi secretário-executivo do MME e presidente da EPE (Empresa de Planejamento Energético). (Foto: Zô Guimarães/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O grupo da transição de governo para tratar de energia e mineração veio reforçado por uma equipe com muitos técnicos, o que foi interpretado como uma disposição do governo eleito em preparar terreno para enfrentar os novos debates que marcam essas áreas, como transição energética e eficiência ambiental.

A composição também reforçou a percepção no setor de que a terceira gestão de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) reserva uma vaga política para o comando do MME (Ministério de Minas e Energia).

O nome mais destacado no grupo é o de Mauricio Tolmasquim, que foi secretário-executivo do MME e presidente da EPE (Empresa de Planejamento Energético). A avaliação é que ele tem uma visão ampla, robusta e moderna sobre as demandas do setor, especialmente no segmento de energia elétrica. A maioria acredita que ele estará em algum posto no próximo mandato.

Outros indicados reconhecidos por seu conhecimento nessa área em particular são Nelson Hubner, que foi diretor-geral da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) e Giles Azevedo, apontado como um dos maiores especialistas em energia do PT.

A presença de Robson Formica foi recebida como um detalhe peculiar. Integrante do MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens), ele seria uma voz de cunho mais social no que poderia ser a retomada do debate sobre como encaminhar a construção de novas hidrelétricas.

Há apenas um integrante com experiência mais consolidada no setor privado, Guto Quintela, que foi diretor global da Vale e sócio do BTG Pactual.

A preponderância de profissionais com atuação nas áreas sindical, de gestão pública e acadêmica não deixou dúvidas: o sinal é de mudança na gestão dessa área, de pró-setor privado para pró-Estado.

Isso também reforçou a expectativa em relação a uma possível reversão na privatização da Eletrobras. Apesar de onerosa e complexa, ela é defendida por alguns integrantes da coalizão que apoia Lula e tem inspirado preocupação da atual direção da ex-estatal.

Nessa nova ótica, existe uma expectativa em relação ao tratamento que será dado a questões hoje polêmicas, como a velocidade de abertura do mercado de energia elétrica, que foi colocada em discussão pelo atual governo, e o destino dos subsídios que recaem sobre a conta de luz, crescentes e onerosos para o custo da energia tanto em residências como empresas.

Os nomes também sinalizam a preocupação em ter um setor mais alinhado com renováveis. O ex-deputado Fernando Ferro é um exemplo. O parlamentar há mais de uma década olha para fontes renováveis, em Pernambuco.

A escolha dos integrantes com currículo consolidado na área de óleo e gás também agradou pela experiência e visão moderna, mas igualmente reforçou a ideia de mudança no foco na área, especialmente na gestão da Petrobras.

A estatal reduziu investimentos, faz privatizações, ampliou o pagamento de dividendos a acionistas e ainda não apresentou um plano mais amplo para atuar na transição energética, como foi feito pelas demais grandes petroleiras do mundo.

Há grande expectativa em relação a política de preços dos combustíveis na nova gestão Lula, bem como será conduzido o novo ciclo de investimentos da estatal, que nos últimos anos focou na exploração do pré-sal.

O próprio Lula, no entanto, questiona o que chama de dolarização do preço dos combustíveis e também anunciou a intenção de retomar a expansão das refinarias, ainda que o setor de óleo e gás tenda a perder espaço na transição energética.

Entre os integrantes do grupo estão especialistas com uma visão moderna, caso do senador pelo PT Jean Paul Prates. Apesar da longa trajetória em óleo e gás, ele se estabeleceu como um legislador em favor das renováveis. Neste momento, está na COP 27, acompanhando os debates das mudanças climáticas e as falas de Lula.

Prates tem sido nome recorrente para ocupar algum cargo no próximo governo. Já foi citado para comandar o ministério ou a Petrobras.

Outra integrante do grupo de transição que também foi cogitada é Magda Chambriend. Ela já comandou a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) e o setor receberia bem a indicação de uma mulher para o posto, que costuma ser reservado à presença masculina.

Entre os especialistas em energia, ninguém entendeu muito bem a presença de Anderson Adauto, ministro dos Transportes de 2003 a 2004, no distante primeiro mandato de Lula. A leitura foi que sua indicação busca equilibrar a balança política.

Adauto atualmente é do PCdoB, que integra a coalizão de apoiou Lula, mas olhando pelo aspecto partidário, a maior parte dos indicados para esse grupo de transição é alinhada ao PT, com destaque para profissionais que atuaram com Dilma Rousseff, tanto quando ela esteve no ministério quanto na Presidência.

Ampliando essa leitura política, a percepção no mercado é que o ministro não está no grupo da transição.

Essa pasta foi, em inúmeros casos, ocupada por um político amparado por técnicos qualificados. Diante da necessidade de fazer alianças partidárias para ampliar a interlocução com Câmara e Senado, a leitura geral é que Lula vai colocar na cadeira do MME alguma indicado por partidos mais de centro-direita, como MDB e PSD, ou mesmo algum integrantes da base do Centrão.

Um dos nomes que circularam mais recentemente foi o do ex-governador de Alagoas, Renan Calheiros Filho (MDB). Seu pai, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) apoia Lula, mas há certa insatisfação na família em ver Lula buscando aliança com um de seus desafetos, o presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL). Um ministério poderia aplacar o descontentamento e fortalecer laços políticos.

Também circularam no mercado nomes como o do senador Eduardo Braga (MDB).

A leitura, no entanto, é que Lula ainda não bateu o martelo, pois precisa resolver o quebra-cabeça político antes. A reportagem consultou representantes de todos os segmentos do setor, que preferiram não ter os nomes citados nessa primeira fase da transição.

*

QUEM É QUEM NO GRUPO DE TRANSIÇÃO DE MINAS E ENERGIA

- Anderson Adauto, ministro dos Transportes de 2003 a 2004, durante o primeiro mandato de Lula, prefeito de Uberaba, por dois mandatos de 2005 a 2012, e deputado estadual em Minas por 16 anos, de 1987 a 2003, já passou por vários partidos, como MDB, PL e Republicanos, mas atualmente está no PCdoB

- David Barcelar, petroleiro graduado em Administração, com especializações em gestão de pessoas, coordenador-geral da Fup (Federação Única dos Petroleiros), também foi representante dos trabalhadores no conselho de administração da Petrobras (2015-2016)

- Fernando Ferro, engenheiro especializado em sistemas elétricos e ex-deputado federal por Pernambuco (PT)

- Giles Azevedo, geólogo e ex-chefe de gabinete do Ministério de Minas e Energia, foi assessor especial da presidente Dilma Rousseff

- Guto Quintela, agrônomo de formação, empresário do agronegócio, é membro do conselho diretor do Centro de Empreendedorismo da Amazônia. Foi diretor global da Vale e sócio do BTG Pactual

- Ikaro Chaves, engenheiro eletricista da Eletronorte e diretor da Associação dos Engenheiros e Técnicos do Sistema Eletrobras

- Jean Paul Prates, advogado e economista, senador do PT pelo Rio Grande do Norte e presidente do Sindicato das Empresas do Setor Energético do RN

- Magda Chambriard, mestre em Engenharia Química pela Coppe/UFRJ e Engenheira Civil pela UFRJ, é coordenadora de pesquisa na FGV Energia. Foi diretora- geral da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis)

- Mauricio Tolmasquim, engenheiro de produção, é professor titular da Coppe/UFRJ. Foi secretário-executivo e ministro interino do MME (Ministério de Minas e Energia) no governo Lula e presidente da EPE (Empresa de Planejamento Energético)

- Nelson Hubner, engenheiro, atua na área de energia. Foi secretário executivo e ministro interino do MME. Foi, também, diretor-geral da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) e presidente do conselho de administração da Light

- Robson Sebastian Formica, especialista em Energia e Sociedade, que integra a coordenação nacional do MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens)

- William Nozaki, professor de Economia em São Paulo e diretor do Ineep (Instituto de Estudos estratégicos de petróleo, gás e biocombustíveis)