Mercado fechará em 1 h 34 min
  • BOVESPA

    114.096,61
    +1.814,33 (+1,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.535,25
    +196,91 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,31
    +1,08 (+1,50%)
     
  • OURO

    1.751,90
    -26,90 (-1,51%)
     
  • BTC-USD

    44.604,27
    +689,99 (+1,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.117,90
    +8,98 (+0,81%)
     
  • S&P500

    4.460,30
    +64,66 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.845,65
    +587,33 (+1,71%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.510,98
    +289,44 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.326,75
    +163,25 (+1,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2236
    +0,0148 (+0,24%)
     

Equipe do Perseverance analisa rocha "candidata" à próxima coleta de amostras

·2 minuto de leitura

O rover Perseverance, da NASA, segue explorando Marte em busca de sinais deixados por antigas formas de vida microbianas, caso tenham existido. Assim, no início de agosto, o rover realizou sua primeira tentativa de coleta de amostras, que acabou “desaparecendo”. Agora, a equipe de cientistas do Perseverance se prepara para uma nova tentativa, que poderá começar na próxima semana caso escolham seguir com uma rocha já identificada.

Antes de o processo começar, o rover irá usar seu braço robótico para investigar uma rocha apelidada de “Rochette”, para os cientistas observarem seu interior e determinarem se realmente tentarão capturar a amostra dali. Se seguirem com a amostragem de Rochette, o material obtido deverá ser um pouco mais espesso que um lápis, e ficaria armazenado em um dos tubos de titânio do rover.

Detalhe da rocha Rochette, que a equipe do Perseverance irá examinar (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)
Detalhe da rocha Rochette, que a equipe do Perseverance irá examinar (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)

A nova coleta acontecerá após uma tentativa realizada no dia 6 de agosto, em que o rover tentou obter amostras de uma rocha quebradiça demais, que se rompeu em pedaços tão pequenos que não puderam ser retidos no tubo. Desde aquele dia, o Perseverance já percorreu cerca de 450 m com destino a uma formação geológica apelidada de “Citadelle” (que significa “castelo”, em francês), como referência à “vista” que o local proporciona para o interior da cratera Jezero. Essa região conta com uma camada de rochas que parece resistir à ação do vento, ou seja, ela pode também ser firme o suficiente para resistir à coleta das amostras.

Enquanto estiver por lá, o rover usará o radar RIMFAX para observar as camadas subterrâneas de Citadelle. Vivian Sun, cientista da missão no Laboratório de Propulsão a Jato na NASA, explica que há rochas possivelmente mais antigas na região à frente. “Então, ter essa amostra mais jovem poderá nos ajudar a reconstituir toda a linha do tempo da cratera Jezero”, explicou. Além disso, a nova tentativa terá uma pequena diferença: após usar a câmera Mastcam-Z para observar o interior do tubo, o rover irá pausar a sequência de coleta para observar a imagem e, assim, garantir que haja um núcleo de rocha no tubo.

Após confirmar que tudo deu certo, o Perseverance receberá poderá selar o tubo para que, futuramente, seja retornado à Terra — incluindo o da primeira coleta, já que, embora não tenha as rochas planejadas inicialmente, contém amostras da atmosfera marciana. “Ao levar as amostras à Terra, esperamos responder uma série de perguntas científicas, incluindo a composição de atmosfera de Marte”, explicou Ken Farley, cientista de projeto do Perseverance. “É por isso que estamos interessados na amostragem atmosférica, junto das amostras de rochas”.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos