Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.522,36
    -36,18 (-0,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Equipe de Lula quer PEC com R$ 175 bilhões fora do teto para Bolsa Família por 4 anos

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O valor fora do teto de gastos para o Bolsa Família na PEC (proposta de emenda à Constituição) da Transição deve ser de R$ 175 bilhões por quatro anos, afirmou na noite desta sexta-feira (11) o senador eleito Wellington Dias (PT-PI), representante da equipe de transição do governo Lula para o Orçamento.

Dias concedeu entrevista no CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil), sede do governo de transição. "O valor que apresentamos, e aí, repito, falta só bater o martelo, é o valor necessário para o Auxílio Brasil", afirmou.

"Você tem no orçamento uma previsão de R$ 105 bilhões. Você tem a necessidade de R$ 52 bilhões para colocar mais R$ 200 acima dos R$ 400 que estavam previstos, e precisa de mais R$ 18 bilhões para garantir o [benefício de R$ 150] das crianças, garantir o dinheiro para as famílias que têm crianças. São R$ 175 bilhões fora do teto."

Com isso, afirmou o senador eleito, seria possível aproveitar o espaço de R$ 105 bilhões aberto na peça orçamentária de 2023 com a retirada do Bolsa Família do teto de gastos para custear os demais programas sociais -como o Minha Casa, Minha Vida e a Farmácia Popular- e aumentar o volume de investimentos.

Dias afirmou que o prazo de quatro anos era ideal para evitar rediscutir o tema anualmente. "Se tem pessoas passando necessidade e se isso não se resolve em 2023, por que que a cada ano tem que criar tensão para poder discutir se aprova ou não uma PEC?", disse.

"Por essa razão, tem dois caminhos: um conceito que se excepcionaliza o programa Auxílio Brasil ou Bolsa Família, o nome que ele vier a ter, e ao mesmo tempo, tem a proposta de que se tenha uma fixação até 2026, ou seja, para o período dos quatro anos."

Segundo ele, o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, orientou que a equipe de transição, sob o comando do vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin, buscasse um entendimento com os parlamentares.

Dias afirmou que entendimento é necessário para, no curto prazo que o grupo tem, conseguir aprovar a PEC e as alterações orçamentárias.

A PEC da Transição é considerada necessária para garantir a continuidade do benefício mínimo de R$ 600 do Bolsa Família a partir de janeiro. A despesa para assegurar esse valor chega a R$ 157 bilhões. O PT também promete uma parcela extra de R$ 150 por criança de até seis anos no programa social, ao custo de R$ 18 bilhões.

A PEC deve começar a tramitar pelo Senado, onde o rito de votação de uma alteração constitucional é mais simples. Mesmo assim, o texto não irá direto ao plenário. Ele passará primeiro pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça).

Como mostrou a Folha de S.Paulo, a ideia de retirar toda a despesa com Bolsa Família do teto de gastos já vinha ganhando força nos últimos dias. Nesta quinta (10), o relator-geral do Orçamento de 2023, senador Marcelo Castro (MDB-PI), confirmou que a PEC retiraria as despesas com o Auxílio Brasil do alcance do teto de gastos. No entanto, ele disse que a mudança seria permanente.

Na quinta, Lula criticou o teto de gastos, regra fiscal que limita o crescimento das despesas à inflação, e defendeu um "novo paradigma" que permita o foco no social, como pregado em sua campanha.

As falas do petista foram mal recebidas no mercado financeiro, que teme um descontrole das contas públicas e do endividamento na esteira do aumento das despesas. O vice eleito reagiu a essas críticas. "Se há alguém que teve responsabilidade fiscal, foi o governo Lula", afirmou Alckmin.