Mercado abrirá em 9 h 40 min
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,93
    -0,43 (-0,82%)
     
  • OURO

    1.824,90
    -5,00 (-0,27%)
     
  • BTC-USD

    36.017,41
    +314,47 (+0,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,73
    -33,41 (-4,54%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.631,00
    +57,14 (+0,20%)
     
  • NIKKEI

    28.318,95
    -200,23 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    12.760,00
    -42,25 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3857
    -0,0069 (-0,11%)
     

Equipe do Google pede afastamento de executiva após demissão de especialista em ética, diz documento

Jeffrey Dastin e Paresh Dave
·1 minuto de leitura

Por Jeffrey Dastin e Paresh Dave

(Reuters) - A equipe de pesquisa Ethical AI, do Google, solicitou que a empresa deixe de ter um vice-presidente e se comprometa com uma maior liberdade acadêmica, intensificando um confronto com a administração da empresa após a demissão da cientista Timnit Gebru neste mês.

Os funcionários pediram, na quarta-feira, que a vice-presidente Megan Kacholia seja retirada da gestão da equipe depois que ela supostamente excluiu o chefe de Gebru da decisão de demiti-la, de acordo com um documento interno visto pela Reuters.

Gebru questionou a exigência do Google para que ela removesse um artigo descrevendo os danos causados por tecnologia semelhante à do Google, e a empresa respondeu dizendo que aceitava sua renúncia.

O documento também exigia uma explicação sobre a demissão, transparência nas revisões dos artigos dos funcionários e uma investigação sobre como o Google lida com as reclamações dos funcionários sobre as condições de trabalho, como as levantadas por Gebru enquanto estava na empresa.

Gebru se destacou como co-fundadora da organização sem fins lucrativos Black in AI e como co-autora de um artigo marcante sobre o viés racial na tecnologia de reconhecimento facial. Ela foi co-líder da equipe Ethical AI da empresa, que o documento dizia ser essencial para informar o público sobre os impactos dos sistemas de inteligência artificial, mesmo quando isso significasse uma crítica construtiva ao Google.

O Google e Kacholia não retornaram imediatamente um pedido de comentário. Não ficou claro quantas pessoas assinaram o documento, que seguiu uma petição anterior por liberdade acadêmica reunindo assinaturas de mais de 2.600 funcionários da empresa.