Mercado fechado
  • BOVESPA

    96.582,16
    +1.213,40 (+1,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.801,37
    -592,34 (-1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,02
    -0,15 (-0,41%)
     
  • OURO

    1.867,30
    -0,70 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    13.453,68
    -89,24 (-0,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    264,05
    +21,37 (+8,80%)
     
  • S&P500

    3.310,11
    +39,08 (+1,19%)
     
  • DOW JONES

    26.659,11
    +139,16 (+0,52%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.207,25
    -135,50 (-1,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7423
    +0,0079 (+0,12%)
     

Equipe econômica passa a ver déficit primário de R$861 bi para governo central em 2020

·1 minuto de leitura
.
.

(Reuters) - O Ministério da Economia elevou nesta terça-feira sua estimativa para o déficit primário do governo central (Tesouro, Banco Central e Previdência) para 861 bilhões de reais em 2020, conforme relatório de receitas e despesas do quarto bimestre.

O novo cálculo levou em conta uma projeção de queda do Produto Interno Bruto (PIB) de 4,7%, que foi mantida pela Secretaria de Política Econômica na semana passada.

No relatório do terceiro bimestre, a expectativa era de um déficit de 787,45 bilhões de reais. No ano, por causa do estado de calamidade pública, o governo não precisará cumprir a meta de déficit primário, fixada em 124,1 bilhões de reais.

No relatório, o governo elevou as despesas primárias calculadas para o ano em 63,598 bilhões de reais, a 2,046 trilhões de reais, refletindo principalmente a extensão do auxílio emergencial até dezembro, com o valor reduzido.

Para a receita líquida, a conta foi diminuída em 9,955 bilhões de reais, a 1,185 trilhão de reais.

(Por Isabel Versiani)