Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.354,98
    +2.325,02 (+5,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Equatorial vence leilão de privatização da Companhia de Eletricidade do Amapá

·1 minuto de leitura
Torre de eletricidade.

SÃO PAULO (Reuters) -A Equatorial Energia venceu nesta sexta-feira o leilão de privatização da Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA), ampliando sua atuação no país após ter adquirido a distribuidora de eletricidade gaúcha CEEE-D no final do primeiro trimestre.

No certame, a companhia fez a única oferta pela endividada CEA, que foi adquirida por um valor simbólico de cerca de 50 mil reais, referentes a ações de titularidade do Estado do Amapá.

O novo controlador terá de assumir passivos precificados em cerca de 1 bilhão de reais, conforme arranjo que teve a participação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Como vencedora, a Equatorial deverá responder por 3 bilhões de reais de investimentos pelo período de 30 anos, para atender cerca de 830 mil habitantes na área de concessão.

A celebração do contrato de concessão também está condicionada à realização de aumento de capital da CEA no valor mínimo de 400 milhões de reais, a ser subscrito pela Equatorial.

A Equatorial, que venceu o leilão definido por uma combinação de valores de outorga e tarifa, tem gestoras como Squadra, Opportunity, BlackRock e Verde como acionistas, além da canadense CPPIB, de fundos de pensão.

A empresa também controla distribuidoras de energia no Maranhão, Pará, Alagoas e Piauí.

(Por Roberto Samora; edição de Nayara Figueiredo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos