Mercado fechará em 59 mins
  • BOVESPA

    116.206,26
    +71,80 (+0,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.012,32
    +582,57 (+1,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,35
    +2,72 (+3,25%)
     
  • OURO

    1.733,70
    +31,70 (+1,86%)
     
  • BTC-USD

    20.127,62
    +513,31 (+2,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,77
    +11,34 (+2,55%)
     
  • S&P500

    3.784,03
    +105,60 (+2,87%)
     
  • DOW JONES

    30.265,35
    +774,46 (+2,63%)
     
  • FTSE

    7.086,46
    +177,70 (+2,57%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.992,21
    +776,42 (+2,96%)
     
  • NASDAQ

    11.642,00
    +356,25 (+3,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1610
    +0,0871 (+1,72%)
     

Equatorial vê oportunidade de aumentar Ebitda da Celg-D em revisão tarifária

Concessão de distribuidora goiana passará da Enel para a Equatorial

SÃO PAULO (Reuters) -A Equatorial Energia acredita que o processo de revisão tarifária da distribuidora recém-adquirida Celg-D em 2023 poderá proporcionar um crescimento expressivo do Ebitda da empresa, disse nesta sexta-feira o CEO do grupo, Augusto Miranda.

Em teleconferência para comentar a aquisição, anunciada na manhã desta sexta-feira, executivos da companhia disseram ter a expectativa de que a agência reguladora Aneel reconheça, na base de ativos da Celg, um valor expressivo dos investimentos realizados pela controladora atual Enel.

Números apresentados pela Equatorial mostram que a base atual de ativos regulatórios da Celg-D soma 3,0 bilhões de reais. Desde a última revisão tarifária da empresa, em 2018, teriam sido investidos mais de 5,5 bilhões de reais, que potencialmente poderiam ser reconhecidos pelo regulador.

A Equatorial anunciou nesta sexta-feira que fechou a compra da distribuidora de Goiás, da Enel, pagando 1,58 bilhão de reais e assumindo dívida de 5,7 bilhões de reais, o que encerra um processo aberto pela companhia italiana, que lutava para resolver problemas de qualidade no fornecimento no Estado.

Executivos destacaram em teleconferência a relevância que a nova concessionária terá no portfólio da Equatorial, se tornando sua distribuidora com o maior número de clientes e estando localizada em um Estado de poder aquisitivo elevado e alto potencial de crescimento econômico.

O CFO da Equatorial, Leonardo Lucas, disse esperar que a conclusão da operação possa acontecer até o final deste ano. Ele lembrou que o fechamento depende de aprovações precedentes, destacando a necessidade de um aval da agência reguladora Aneel para a troca do controle.

A expectativa é de que Equatorial e Aneel renegociem prazos para que a Celg-D atinja parâmetros mínimos de qualidade dos serviços, principalmente do indicador DEC (duração de interrupções de energia).

Segundo Lucas, o desafio do DEC é mais presente em regiões rurais e do interior de Goiás, e será combatido principalmente por meio de investimentos em redes e revisão de processos.

FINANCIAMENTO

Ainda durante a teleconferência, Miranda disse que o financiamento para fazer frente à renegociação das dívidas de 5,7 bilhões de reais da Celg já está "100% contratado", o que reduz riscos com volatilidade de mercado em um ambiente macroeconômico de maior incerteza.

Para equacionar o passivo da distribuidora goiana, a companhia já tem uma linha de crédito contratada de até 7 bilhões de reais, com condições pré-definidas e garantidas.

A Equatorial usará ainda recursos próprios de caixa para bancar o 1,58 bilhão de reais da aquisição.

(Por Letícia Fucuchima; edição de Rafaella Barros)