Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    57.406,37
    -4.819,68 (-7,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Equatorial diversifica risco com CEEE-D, diz diretor; avaliará aportes na empresa

·1 minuto de leitura
Linha de distribuição de energia

SÃO PAULO (Reuters) - A Equatorial Energia vê a aquisição da distribuidora de eletricidade gaúcha CEEE-D, fechada em leilão nesta quarta-feira, como uma "diversificação do risco" em seus negócios, uma vez que a empresa tem perfil bem diferente das demais distribuidoras do grupo, disse um executivo após a licitação.

Com concessionárias de distribuição no Maranhão, Pará, Piauí e Alagoas, a Equatorial foi a única participante do processo competitivo de desestatização da CEEE-D e levou a companhia com uma oferta de 100 mil reais por 65,87% do capital social.

"A gente atua em regiões do Norte, Nordeste, e a região Sul tem uma percepção de risco diferente, a parte de arrecadação é muito mais simples que a gente verifica em nossas concessões. Enfim, um conjunto de fatores levou a gente a ver com bastante atratividade essa concessão", disse o diretor executivo de Regulação e Novos Negócios da Equatorial, Tinn Amado.

Questionado sobre possíveis planos de aportes de recursos na CEEE-D quando a Equatorial assumir o controle da empresa, o executivo confirmou que esse tema está em estudos.

"Sim, a gente avalia, principalmente para reestruturar a dívida, só que isso vai depender de nossa entrada na concessão para a gente estabelecer qual o melhor momento para isso", explicou ele, em coletiva de imprensa após o leilão.

O executivo disse ainda que a Equatorial deverá lançar em 30 dias uma oferta pública para aquisição (OPA) de ações detidas pelos demais acionistas da CEEE-D, incluindo a Eletrobras. Essa oferta envolverá 80% do valor pago por ação na desestatização, acrescentou.

(Por Luciano Costa)