Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.305,81
    -490,32 (-0,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Equador tem atos de apoio ao presidente, que falta a audiência no Congresso

·4 min de leitura

BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - Dois dias após impor, por meio de decreto, um estado de exceção no Equador, pelo qual o Exército sairá às ruas para atuar na segurança pública e no combate ao narcotráfico, o presidente Guillermo Lasso compareceu a atos a favor de sua gestão, realizados nesta quarta-feira (20), em Quito.

Discursando a apoiadores, o mandatário ainda criticou a convocação, pela oposição, de manifestações críticas a ele. "Não será possível incendiar edifícios nem realizar sequestros", disse, em referência a eventuais atos criminosos nos protestos agendados para o próximo dia 26. "Empunharemos a Constituição para enfrentar os golpistas. Que os conspiradores nos deixem trabalhar para realizar o sonho dos equatorianos."

No Palácio de Carondelet, sede do Executivo, Lasso convocou a população a "proteger nossa capital e nossa democracia". Ele estava acompanhado de militantes e apoiadores do CREO (Movimento Criando Oportunidades). "Não há nada mais legítimo do que um povo que se levanta para defender sua democracia", afirmou.

Outros atos de apoio ao presidente foram registrados em cidades importantes, como Guayaquil. Um dos mais impactados por essa nova onda de violência —no presídio local, em setembro, uma rebelião terminou com 118 mortos—, o município litorâneo tem sido palco mais frequente da atuação dos soldados das Forças Armadas em atividades de patrulha e segurança.

O discurso de Lasso em frente ao palácio presidencial nesta quarta é marcante também porque significou uma recusa deliberada ao comparecimento em audiência convocada pela Assembleia Nacional. O ato marcava a abertura de investigação no Legislativo sobre a menção ao líder equatoriano no caso dos Pandora Papers, investigação organizada pelo ICIJ (Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos).

A apuração realizada pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, na sigla em inglês) apontou que Lasso chegou a ter relações com 14 empresas offshore, mas passou a se desfazer dos vínculos quando uma lei foi aprovada no país para proibir candidatos à Presidência de serem beneficiários de empresas em paraísos fiscais.

Apesar da intimação, o presidente disse que nem ele nem sua família comparecerão à Comissão de Garantias Constitucionais do Congresso. O chefe do Executivo, a mulher e o filho enviaram apenas um comunicado ao presidente da mesa, José Fernando Cabascango. "Nem a Assembleia Nacional nem esta comissão são os órgãos para investigar as causas relativas ao não cumprimento da lei", diz o texto, que aponta a Controladoria como foro adequado de apurações.

A carta traz ainda argumentos da defesa sobre as empresas offshore reveladas pelos Pandora Papers e informações e evidências que o mandatário manifestou desejo de que fossem integradas ao processo.

Em vez de comparecer à sessão, ​Lasso colocou na agenda desta quarta um encontro com líderes de outros grupos políticos com representação na Assembleia, como o indígena Pachakutik. Aliado na luta contra o correísmo, o movimento chefiado pelo ex-candidato a presidente Yaku Pérez já não deseja seguir no apoio ao atual mandatário, devido ao pacote de reformas proposto por ele.

O presidente ensaia apresentar um conjunto de projetos que mexem nas áreas trabalhista e tributária, alterando impostos ligados à renda, aos lucros e a grandes fortunas. A oposição é contra, com o argumento de que a pandemia não acabou e que não seria o momento de reduzir gastos sociais.

Apesar da intimação, o presidente disse que nem ele nem sua família comparecerão à Comissão de Garantias Constitucionais do Congresso. O chefe do Executivo, a mulher e o filho enviaram apenas um comunicado ao presidente da mesa, José Fernando Cabascango. "Nem a Assembleia Nacional nem esta comissão são os órgãos para investigar as causas relativas ao não cumprimento da lei", diz o texto, que aponta a Controladoria como foro adequado de apurações.

A carta traz ainda argumentos da defesa sobre as empresas offshore reveladas pelos Pandora Papers e informações e evidências que o mandatário manifestou desejo de que fossem integradas ao processo.

Em vez de comparecer à sessão, ​Lasso colocou na agenda desta quarta um encontro com líderes de outros grupos políticos com representação na Assembleia, como o indígena Pachakutik. Aliado na luta contra o correísmo, o movimento chefiado pelo ex-candidato a presidente Yaku Pérez já não deseja seguir no apoio ao atual mandatário, devido ao pacote de reformas proposto por ele.

O presidente ensaia apresentar um conjunto de projetos que mexem nas áreas trabalhista e tributária, alterando impostos ligados à renda, aos lucros e a grandes fortunas. A oposição é contra, com o argumento de que a pandemia não acabou e que não seria o momento de reduzir gastos sociais.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos