Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,73
    -0,76 (-1,16%)
     
  • OURO

    1.867,30
    -0,70 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    41.020,10
    -3.916,63 (-8,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.144,77
    -108,37 (-8,65%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    27.992,83
    -414,01 (-1,46%)
     
  • NASDAQ

    13.176,25
    -35,75 (-0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4304
    +0,0003 (+0,00%)
     

Equador registra 4.892 infecções em um dia, o segundo maior número na pandemia

·1 minuto de leitura
As primeiras 8.000 doses da vacina Pfizer / BioNTech chegaram ao Aeroporto Internacional Mariscal Sucre, em Quito, em 21 de janeiro de 2021

O Equador, um dos países mais atingidos pelo novo coronavírus na América Latina, registrou 4.892 casos de Covid-19 nas últimas 24 horas, o segundo maior número diário durante a pandemia, elevando o total de infecções para 355.431 nesta quinta-feira (15), segundo dados oficiais.

O recorde diário de infectados no país, de 17,4 milhões de habitantes, foi de 11.536 em 24 de abril de 2020, quando o governo equatoriano revisou para cima o número de casos, em meio à sua pior crise de saúde.

Além do total de 355.431 casos (2.043 a cada 100.000 habitantes), o Equador registrou 89 mortes nesta quinta-feira, elevando o número total para 17.489. Médicos e autoridades afirmam que há subnotificação de mortes pela pandemia no país.

O número de óbitos por todas as causas disparou desde que a presença da covid-19 foi declarada em território nacional, em 29 de fevereiro de 2020. Entre março de 2020 e o mesmo mês de 2021, foram registrados 53 mil óbitos a mais do que no mesmo período anterior, segundo o Registro Civil.

O país também enfrenta um atraso no processo de vacinação. Até o último sábado, 183,3 mil pessoas haviam sido imunizadas com as duas doses e outras 274,160, com a primeira.

O governo do presidente Lenín Moreno, com fim de mandato em 24 de maio, afirma que negociou a compra de 20 milhões de doses, que chegarão até setembro, para imunizar 57% da população.

sp/yo/jc/lb