Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.405,30
    +1.755,74 (+2,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Epic Games planejava processar Apple desde 2008, revelam documentos

Wagner Wakka
·2 minuto de leitura

Novos documentos trocados entre Apple e Epic Games mostram que a desenvolvedora de Fortnite não moveu uma ação antitruste contra a gigante do iPhone do nada. Na verdade, a Epic estava desde 2008 estudando este movimento, mas só começou a colocá-lo em prática em 2019.

É preciso voltar um pouco nesta história para lembrar o ocorrido. Em agosto do ano passado, Fortnite foi banido da App Store ao tentar oferecer a compra de produtos no jogo por um sistema fora da loja da Apple. Diante do banimento, a Epic moveu uma ação contra a gigante sob a acusação de monopólio, já que o iOS não permite o download de apps fora da App Store (diferentemente do que acontece no Android).

A expectativa era de que a Epic teria entrado na Justiça contra a Apple por conta do banimento. Entretanto, o fato foi apenas o estopim para uma movimentação já prevista há tempos. Um documento divulgado pela Apple, que reúne 500 páginas de informações trocadas entre as duas companhias, indica que a Epic tinha um projeto interno chamado Liberty, que estudava uma ação contra a Maçã desde 2008. A proposta seria mesmo de questionar Apple e também a Google, por conta de suas lojas no iOS e Android.

A ideia culminou em 2019, quando a Epic contratou companhias de comunicação e advogados para montar o discurso contra a Apple. Os dois argumentos principais são os já conhecidos: a taxa de 30% que a App Store cobra dos desenvolvedores, além de não permitir instalação de programas sem passar pela loja.

“Isso tudo foi parte de um plano de mídia chamado ‘Projeto Liberty’”, diz o documento. “A Epic buscou mostrar a Apple como os caras maus de modo a apoiar os interesses de Fornite. Ironicamente, quando a Epic foi retirada do iOS, disse a seus jogadores que poderiam continuar jogando em consoles, PCs e outros aparelhos, demonstrando a existência de competição e ausência do monopólio”, defende a Apple.

A própria Epic já tinha confirmado a existência do Projeto Liberty, mas ainda não havia falado sobre por quanto tempo trabalhava na ação.

O embate entre as duas ainda segue na Justiça, com novo julgamento agendado para começar em 3 de maio. Até mesmo Tim Cook, CEO da Apple, deve ser ouvido como testemunha no caso.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: