Mercado fechado
  • BOVESPA

    123.576,56
    +1.060,82 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.633,91
    +764,43 (+1,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,23
    -0,33 (-0,47%)
     
  • OURO

    1.813,20
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    38.427,80
    -1.078,45 (-2,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    938,23
    -5,21 (-0,55%)
     
  • S&P500

    4.423,15
    +35,99 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    35.116,40
    +278,24 (+0,80%)
     
  • FTSE

    7.105,72
    +24,00 (+0,34%)
     
  • HANG SENG

    26.194,82
    -40,98 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.517,94
    -123,89 (-0,45%)
     
  • NASDAQ

    15.032,00
    -14,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1728
    +0,0073 (+0,12%)
     

Enviada especial da ONU, Angelina Jolie visita campo de refugiados de Burkina Faso

·1 minuto de leitura
Atriz Angelina Jolie discursa no campo de refugiados de Goudoubou, em Burkina Faso

DORI, Burkina Faso (Reuters) - A atriz Angelina Jolie visitou no domingo um campo de refugiados de Burkina Faso que abriga pessoas que fugiram da violência jihadista no Mali, e elogiou o país por acolher os deslocados, apesar de ter recursos limitados e estar combatendo sua própria insurgência.

Burkina Faso, como os vizinhos Níger e Mali, ainda se recupera de ataques violentos de militantes ligados à Al Qaeda e ao Estado Islâmico que já mataram milhares e deslocaram milhões nos três países.

"Estou aqui para mostrar minha solidariedade ao povo burkinabé, que continua a receber os irmãos e as irmãs deslocados apesar dos ataques e desafios terríveis, compartilhando o pouco que tem em um momento no qual outros países com muito mais fecham suas fronteiras e suas mentes aos refugiados", disse Angelina.

Sua viagem marcou o Dia Mundial dos Refugiados, que acontece sempre em 20 de junho.

A atriz e ativista dos refugiados falava no campo de refugiados de Goudoubou, situado a cerca de 15 quilômetros de Dori, cidade do nordeste próxima da área da tríplice fronteira do Sahel, o epicentro da violência.

Burkina Faso sofreu seu pior ataque no início deste mês, quando 132 moradores do vilarejo de Solhan, na província de Yagha, que faz divisa com o Níger, foram mortos por insurgentes, levando outros a fugirem.

Na sexta-feira, a Organização das Nações Unidas (ONU) disse que o número de pessoas de todo o mundo forçadas a abandonar o lar devido a conflitos, perseguições e abusos de direitos humanos dobrou na última década, chegando a 82,4 milhões.

(Por Thiam Ndiaga)

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447759)) REUTERS ES

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos