Mercado abrirá em 2 h 37 min
  • BOVESPA

    123.576,56
    +1.060,82 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.633,91
    +764,43 (+1,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,16
    -0,40 (-0,57%)
     
  • OURO

    1.816,40
    +2,30 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    37.759,40
    -874,09 (-2,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    922,58
    -20,86 (-2,21%)
     
  • S&P500

    4.423,15
    +35,99 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    35.116,40
    +278,24 (+0,80%)
     
  • FTSE

    7.128,11
    +22,39 (+0,32%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.057,75
    +11,50 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1620
    -0,0035 (-0,06%)
     

ENTREVISTA-Karoon estuda aquisição de campos de Albacora da Petrobras, diz CEO

·2 minuto de leitura
Sonda de petróleo em Bacia de Santos

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A australiana Karoon avalia ativos colocados à venda pela Petrobras, como forma de expandir mais sua atuação no Brasil, incluindo os campos de Albacora e Albacora Leste, em águas profundas da Bacia de Campos, afirmou o presidente global da companhia.

Ambos os campos, responsáveis pela produção de cerca de 77 mil barris de óleo equivalente por dia, segundo documentos da Petrobras, estão dentre os mais cobiçados em oferta.

Juntos, provavelmente serão o maior desinvestimento de óleo e gás da companhia desde 2017, quando concordou em vender uma participação em seu campo de Roncador para a norueguesa Equinor, por 2,9 bilhões de dólares.

Em entrevista à Reuters, Julian Fowles, pontuou que caso participe da fase vinculante, cujas ofertas são esperadas pela estatal em agosto, deverá ser em parceria.

"Para a Karoon, esse ativo é algo que certamente temos interesse em participar. Nós definitivamente faríamos isso com parceiros, não é algo que faríamos sozinhos", afirmou o executivo, em uma conversa por videoconferência, evitando dar mais detalhes devido à confidencialidade do processo de venda.

Fowles pontuou ainda que os dois campos são muito competitivos e que "há interesse de outras partes".

A Reuters publicou nesta terça-feira que ambos os ativos poderão atrair ao menos três potenciais grupos de compradores, incluindo a Karoon, disseram à Reuters nos últimos dias quatro fontes com conhecimento do assunto.

Originalmente, as ofertas vinculantes deveriam ser apresentadas na última segunda-feira, mas o prazo foi prorrogado até 9 de agosto, já que os compradores em potencial pediram mais prazo para examinar os ativos e estruturar seus lances, disseram as fontes, que pediram anonimato para discutir assuntos confidenciais.

A Karoon é uma das petroleiras de menor porte que tem visto o plano de desinvestimentos da Petrobras como uma oportunidade para expandir operações no Brasil. Com as vendas, a estatal quer financiar avanço no pré-sal e reduzir suas dívidas.

Além de Albacora, a australiana avalia ainda outras possíveis aquisições, em campos marítimos de petróleo, essencialmente nas bacias de Campos e Santos, em produção ou próximos a tornarem-se operacionais, afirmou Fowles, pontuando que a empresa não deseja necessariamente ser sempre operadora dos ativos.

A Karoon tornou-se produtora de petróleo recentemente no país, ao concluir a aquisição de 100% do campo de Baúna, em águas rasas na Bacia de Santos, da Petrobras, no ano passado.

Agora, Fowles afirmou que a empresa planeja investir cerca de 300 milhões de dólares para dobrar a produção na área de Baúna, que hoje produz aproximadamente 14 mil barris de óleo equivalente por dia, até o início de 2023.

(Por Marta Nogueira; reportagem adicional de Gram Slattery)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos