Mercado abrirá em 7 h 53 min
  • BOVESPA

    111.878,53
    +478,62 (+0,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.674,83
    +779,20 (+1,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,28
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.838,20
    +8,00 (+0,44%)
     
  • BTC-USD

    19.089,34
    +7,99 (+0,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    374,73
    +9,81 (+2,69%)
     
  • S&P500

    3.669,01
    +6,56 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    29.883,79
    +59,87 (+0,20%)
     
  • FTSE

    6.463,39
    +78,66 (+1,23%)
     
  • HANG SENG

    26.680,48
    +147,90 (+0,56%)
     
  • NIKKEI

    26.833,52
    +32,54 (+0,12%)
     
  • NASDAQ

    12.481,00
    +26,75 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3639
    +0,0441 (+0,70%)
     

ENTREVISTA-Constellation vê chance de reação robusta na bolsa em 2021, mas alerta sobre fiscal e inflação

Por Paula Arend Laier
·3 minuto de leitura

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - Os efeitos negativos da pandemia de Covid-19 nas empresas brasileiras estão diminuindo e uma vacina no começo do próximo ano pode apoiar uma forte recuperação na bolsa paulista, embora o cenário fiscal ainda fomente incertezas, avalia Florian Bartunek, sócio-fundador da Constellation Asset.

A Constellation tem atualmente 15 bilhões de reais sob gestão e nomes como o bilionário Jorge Paulo Lemann na sua estrutura societária.

"A bolsa pode ter uma recuperação robusta", afirmou o executivo em entrevista à Reuters. Ele ressaltou que a economia está voltando a funcionar, mesmo que devagar, e que um eventual início de vacinação contra o coronavírus no início de 2021 vai ajudar a melhorar a percepção nos mercados sobre a recuperação das companhias.

A Universidade de Oxford afirmou nesta semana que espera apresentar resultados do teste de estágio avançado de sua candidata a vacina contra Covid-19 neste ano, o que aumenta a esperança de o Reino Unido começar a distribuir uma vacina bem-sucedida no final de dezembro ou no início de 2021.

"No final das contas, o que importa é o desempenho das companhias.. Obviamente, uma economia exuberante ajuda muito, mas se também for 'ok' as boas empresas vão fazer o seu papel e apresentar uma boa performance", diz, citando que há ações já sendo negociadas a preços anteriores à pandemia.

Após renovar máximas no começo do ano, aproximando-se dos 120 mil pontos, o Ibovespa, referência do mercado acionário brasileiro, despencou para quase 60 mil pontos com as preocupações associadas ao Covid-19. No ano, apesar da recuperação, ainda perde 13,35%. Em dólar, recua 37%. Nos Estados Unidos, por sua vez, o S&P 500, que também sofreu com os temores ligados à pandemia, já contabiliza uma alta de 8,7% em 2020.

De acordo com Bartunek, os investidores ainda têm dúvidas sobre o quadro fiscal no Brasil, algo que inclui aumento do déficit nas contas públicas em razão das medidas para atenuar os efeitos do coronavírus e a manutenção do teto de gastos, além da capacidade do governo em fazer reformas necessárias para o país.

"Tem esses pontos de interrogação", afirma. Ele acrescenta que o Congresso Nacional mostra intenção de acelerar a agenda de reformas, embora pondere que seja algo difícil de se executar. "Mas, claramente, há uma demanda."

O sócio-fundador da Constellation também chama a atenção para o comportamento dos preços no Brasil. Embora não exista uma "preocupação enorme com a inflação agora", Bartunek ressalta que é uma variável que é necessário monitorar permanentemente, principalmente com o quadro fiscal deteriorado.

Nesta sexta-feira, o IBGE informou que o IPCA acelerou a alta a 0,86% em outubro, de 0,64% em setembro, resultado mais elevado para o mês em 18 anos e taxa mais alta do ano. Em 12 meses, subiu 3,92%, quase no centro da meta de 2020, que é de 4% com margem de 1,5 ponto para mais ou menos.

"Se o mercado começar a ter a percepção que a inflação é um problema, isso afeta o juro longo... e quanto mais alto o juro longo menos interessante fica a bolsa", reforça, lembrando que o movimento também afeta crédito de bancos, eleva as incertezas e os investidores acabam ficando mais cautelosos.

Na véspera, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, fez forte defesa da necessidade do país se comprometer com a sustentabilidade das contas públicas no pós-pandemia, frisando que sem isso há sério risco de desorganização dos preços de mercado.

Bartunek afirmou que tem ocorrido um crescente interesse de clientes, empresas e investidores em políticas de investimentos que consideram também fatores ambientais, sociais e de governança corporativa, resumidos na sigla em inglês ESG. Segundo ele, a partir do próximo ano novos nomes devem atuar com mais afinco nessa direção no Brasil.

"Investidores mais robustos estão estudando esse processo e no meio do ano que vem vamos ver mais nomes sendo mais vocais nessa estratégia", disse.