Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.602,39
    -1.466,16 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.173,12
    +447,16 (+0,88%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,52
    -0,49 (-0,68%)
     
  • OURO

    1.801,90
    +3,90 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    17.252,39
    +443,42 (+2,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    406,59
    +11,90 (+3,02%)
     
  • S&P500

    3.959,71
    +25,79 (+0,66%)
     
  • DOW JONES

    33.714,03
    +116,11 (+0,35%)
     
  • FTSE

    7.472,17
    -17,02 (-0,23%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.620,50
    +111,00 (+0,96%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4991
    +0,0327 (+0,60%)
     

Entregadores têm vínculo de emprego com plataforma, reconhece Justiça

Justiça reconheceu vínculo de emprego de entregadores com plataforma. Foto: Getty Images.
Justiça reconheceu vínculo de emprego de entregadores com plataforma. Foto: Getty Images.
  • Justiça reconheceu que existe vínculo de emprego entre a plataforma Levoo e seus entregadores;

  • Empresa opera intermediando o serviço de entrega de produtos entre supermercados e clientes;

  • Companhia pede que seus motoristas se cadastrem como entregadores MEI da Levoo.

A 17º Turma do Tribunal Regional do Trabalho em São Paulo (TRT-SP) determinou que a startup de logística Levoo deverá assinar a Carteira de Trabalho e Previdência Social de todos os entregadores cadastrados e aprovados no aplicativo.

O Ministério Público do Trabalho reconheceu que há vínculo empregatício entre companhia e entregadores porque os requisitos de subordinação jurídica, onerosidade, pessoalidade e não eventualidade estão presentes no caso.

Leia também:

A companhia pede em seu site e suas redes sociais que os motoristas se cadastrem como entregador MEI. Outras companhias de transporte de passageiros e de entrega de mercadorias também utilizam o registro de Microempreendedor Individual como forma de contratação.

Assim como a Rappi e a Uber Flash, a empresa opera intermediando o serviço de entrega de produtos entre supermercados e clientes. A companhia detém 20% do valor de cada entrega, preestabelecido antes da corrida.

O procurador do Trabalho e autor da ação, Rodrigo Castilho, afirmou que os entregadores são funcionários da empresa porque esses requisitos são atendidos. A Justiça determinou uma multa diária de R$ 10 mil em caso de descumprimento.

Segundo a decisão, outros países têm decidido pelo reconhecimento do vínculo empregatícios entre plataforma e entregadores e usa o exemplo da Suprema Corte do Reino Unido, que definiu vínculo.